A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

23/04/2018 06:53

Por que existem tão poucos cães-guia no Brasil?

Por George Harrison (*)

No dia 25 de abril, é celebrado o Dia Internacional do Cão-Guia. A data representa uma oportunidade para refletirmos sobre a realidade desses animais no país. Segundo dados divulgados em 2015 pela Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo IBGE em parceria com o Ministério da Saúde, o Brasil possui aproximadamente 7 milhões de habitantes com algum tipo de deficiência visual. Desses, 1 milhão têm limitação intensa ou muito intensa e são impossibilitados de realizar atividades rotineiras.

Embora haja uma enorme necessidade, a Secretaria Especial de Direitos Humanos, do Ministério da Justiça, estima que existam menos de duzentos cães-guia em território nacional. A causa desse número reduzido é a ausência dessa cultura, motivada por alguns fatores como o baixo investimento para o treinamento dos animais e, principalmente, pela falta de famílias voluntárias para recebê-los durante o período de socialização.

Muitos não sabem, mas a preparação desses cães não é simples, e vai muito além de um treinamento temporário: desde os três meses de vida até por volta de um ano e meio, o animal precisa conviver com uma família, que se torna responsável por apresentá-lo às mais variadas situações do dia a dia, como lazer, viagens, transporte público e a convivência com crianças.

As famílias socializadoras precisam seguir uma série de procedimentos; sobretudo, passar grande parte do dia com os cães. Isso é imprescindível para que a socialização seja feita corretamente e o deficiente visual receba um animal capacitado a guiá-lo em qualquer situação.

Ao final do período de adaptação, o cão é devolvido para o centro de treinamento, onde aprende os comandos básicos para assumir o seu papel junto ao deficiente visual. A partir daí, ele passa a usar a guia e peitoral com alça rígida, equipamentos que servem para comunicação com o humano. Dessa forma, o pet vai assimilar que está trabalhando quando usar o acessório e que, quando não estiver, pode brincar e ficar à vontade.

Quando o cão já está habituado aos novos equipamentos e comandos aprendidos, inicia-se uma nova etapa: a adaptação junto ao seu futuro dono, o deficiente visual, com quem vai conviver muitos e muitos anos – há casos de animais que atuaram como guias até os 12 anos.

(*) George Harrison é especialista do Instituto Magnus, organização sem fins lucrativos voltada à criação e ao treinamento de cães terapêuticos e cães de assistência.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions