A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

10/03/2015 13:20

Professor, salvador da nossa cidadania e democracia

Por Felipe Zampieri Teruia (*)

A busca em resgatar um pouco da cidadania na escola de hoje, trazendo as riquezas morais, éticas e humanas para o cotidiano do ensino atual, me fizeram escrever esse artigo. Procuro questionar o aprendizado destes conceitos na escola e fazer uma comparação com a Educação Física, onde é possível se aplicar uma forma de ensino baseada nestas filosofias. A Educação faz parte de uma plataforma constante na vida em sociedade, seja por questões da política de organização e operacionalização, seja pelo desenvolvimento das questões relacionadas ao ensino e aprendizagem. Contudo antes de mergulhar nesse paraíso chamado educação precisamos falar um pouco sobre a valorização do professor.

A falta de valorização do professor é um fato muito comum em nossa sociedade. Por dezenas de relatos, inclusive da minha mãe que é professora aposentada, onde a função do profissional fica distante do programado, uma vez que as demandas estudantis que chegam as salas de aulas deveriam ser trabalhadas pela família e pela sociedade no contexto geral. Muito se precisa evoluir para uma melhor educação exemplo na melhora de seu ambiente de trabalho, na delimitação das horas de atividades e no poder aquisitivo de seus proventos. Com a precariedade que encontramos em algumas escolas públicas reflete diretamente na qualidade do ensino e aprendizagem e também no mercado de trabalho.

O professor é FUNDAMENTAL no contexto educacional. Precisamos tratar os professores como eles realmente merecem serem reconhecidos pela sociedade, como profissionais da educação. A necessidade urgente de investimentos na qualificação profissional, através de cursos de atualização dos docentes. A melhora dos salários e condições de trabalho, inclusive ter um sistema de seguridade claro e, não só carregar a responsabilidade de instruir e educar. Por fim, maiores comprometimentos com a educação de todos os envolvidos no processo sem dúvida podem construir uma nação forte. Permita-me, parafrasear Evaristo Ferreira da Veiga em o “Abolocionista”-Joaquim Nabuco” Uma pátria respeitada, não tanto pela grandeza do seu território, com pela união de seus filhos, não tanto pelas leis escritas, com pela convicção da honestidade e justiça do seu governo; não tanto pelas instituições deste ou daquele molde, como pela prova real de que essas instituições favorecem, ou, quando menos, não contrariam a liberdade e desenvolvimento da nação.

Para se viver em sociedade, necessitamos ter ética e viver em uma democracia? E onde buscamos essas informações, para colocar em prática, estes conhecimentos? Nas universidades ou nas escolas, onde somos postos a prova, na convivência com outros alunos, tão semelhantes a nós, obviamente completamente diferentes em suas individualidades. E para ser cidadão ético e democrata devemos esmerar cada vez mais na prática da sociabilidade usando sempre o seu direito e respeitando o do outro sem esperteza, porém, inteligentemente. O espaço onde mais se esta aberto a este aprendizado são nas aulas de educação física, por proporcionarem aos alunos maior integração ao convívio social, aprendendo a viver em igualdade.

Parâmetros Curriculares Nacionais, na busca de realizar uma educação comprometida com a cidadania, elegeram, com base em textos constitucionais, princípios pelos quais podem ser orientada a educação escolar, e que estão descritos abaixo :

Dignidade da pessoa humana, que implica no respeito aos direitos humanos, repúdio à discriminação de qualquer tipo, acessa a condições de uma vida digna, respeito mútuo nas relações interpessoais, públicas e privadas.

Igualdade de direitos que refere-se à necessidade de garantir que todos tenham a mesma dignidade e possibilidade de exercício da cidadania. Para tanto há que se considerar o princípio da eqüidade, isto é, que existam diferenças (éticas, culturais, regionais, de gênero, etárias, religiosas, etc.) e desigualdades (socio-econômicas) que necessitam ser levadas em conta para que a igualdade seja efetivamente alcançada.

Participação, que como princípio democrático, traz a noção de cidadania ativa, isto é, da complementaridade entre a representação política tradicional e a participação popular no espaço público, compreendendo que não se trata de uma sociedade homogênea e sim marcada por diferenças de classe, étnicas, religiosas, etc.

Co-responsabilidade pela vida social, que implica em partilhar com os poderes públicos e diferentes grupos sociais, organizados ou não, a responsabilidade pelos destinos da vida coletiva.

Todavia, são estes pontos que o professor precisa para trabalhar o conceito de igualdade e democracia dentro do âmbito escolar. Eu acredito que a figura do professor, tem uma importância tão gigantesca que nem o melhor médico do mundo seria uma pessoa de sucesso se por trás dele não existisse a presença do educador. Professor, esse que necessita do amparo divino, pois a vocação para atuar, precisa "amar coisa" para ser professor, por que milhares de vezes nos deparamos com alguns conceitos de que ser professor - e principalmente de Educação Física - é uma tarefa fácil de se realizar. Mesmo não sendo a mais valorizada das profissões, acredito ser ela a mais importante. O que limita a ação docente é a sociedade da qual fazemos parte, que incansavelmente busca a realização financeira, o status de ser o melhor, Afinal, que pai "médico" vai querer que seu filho seja professor ? Só se
for professor universitário. E mesmo assim precisa de vocação para dar aula em uma universidade.

Portanto como o médico existe para prevenir e curar doenças e sua felicidade é a recuperação de seu paciente, o Educador deve pensar que sua missão é a de ensinar a quem não sabe, ajudar a amadurecer os imaturos a descortinar universos lacrados pela ignorância, e que sua felicidade está em ver o progresso gradual de todos eles, caso contrário, não haveria necessidade de escola, professores e sistema educacional.

(*) Felipe Zampieri Teruia, estudante

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions