A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Junho de 2018

22/01/2017 14:26

Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões

Por Ascânio João Sedrez (*)

Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo.

Numa perspectiva de sociedade apassivada pelos grandes meios de comunicação social, seria mais fácil imaginar a escolarização como processo de adaptação ou preparação a um modelo de convivência sem autorias, sem decisões, sem questionamentos...

Usa-se, até, a pretensa possibilidade de neutralidade para o conhecimento científico como ideal a ser buscado por todos os que atuam com as novas gerações, ao longo da Educação Básica.

Contudo, além de todo conhecimento humano ser marcado pelos tempos, culturas, crenças e possibilidades reais, – por exemplo, o geocentrismo baseado nas empíricas observações da humanidade durante a maior parte da história – reconhece-se, explicitamente, este conhecimento como precário, sujeito a revisões, relativo às condições de determinado momento científico, cultural e, inclusive, ideológico.

No que toca tão intimamente a vida das pessoas como as suas crenças religiosas – significados últimos de seu existir, seus valores mais profundos, suas convicções e sentido do viver - lidamos com um cenário ainda mais complexo. Seria mais fácil vincular a escola e sua função pública com uma obrigação de não se tratar ali assuntos relacionados às convicções pessoais e familiares.

Aos que advogam uma interpretação restrita à ideia da laicidade da escola, especialmente a escola mantida diretamente pelos órgãos federativos, parece fácil justificar a ausência das discussões sobre religião, sobre as tradições religiosas e o necessário diálogo entre elas.

O discurso de muitos reduz a questão das religiões ao foro íntimo das pessoas, defendendo que as construções culturais que chamamos de tradições religiosas não tivessem nenhum papel na sociedade e na real possibilidade/urgência de vivermos em paz.

Meu posicionamento como educador, tanto na questão geral da falaciosa neutralidade do conhecimento quanto na pretendida ausência das questões religiosas, é claro e transparente: a escola, a mantida diretamente pelo Estado ou por outras entidades da sociedade, deve ser espaçotempo de troca, de diálogo, de construção de conhecimentos, de abertura ao diverso, de discussão, de debate, de ampliação de horizontes.

Será sempre, por seus professores, alunos, especialistas em educação, pessoal de apoio, famílias e comunidade do território, instância social apropriada para a discussão, para a respeitosa convivência da diferença, para a desafiadora tarefa de aprender e dialogar com o novo.

(*) Ascânio João Sedrez (Chico) é diretor do Colégio Marista Glória, da Rede de Colégios do Grupo Marista

A liberdade está sob ameaça dos insensatos
A contundente e oportuna defesa da liberdade de imprensa feita, em seminário recente, pela Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministra Cármen Lú...
Importa que a coisa ande
Independente do resultado de sua votação em plenário, o Projeto de Lei 3200 (sobre o registro de defensivos agrícolas) deu um passo importantíssimo c...
A Rússia que você não vai ver na Copa
‘Sob nuvens elétricas’ é um filme que, ambientado em 2017, um século após a Revolução Bolchevique, mostra uma Rússia que não aparecerá na Copa do Mun...
Analgésico esférico
A história se repete. Nesta semana de abertura da Copa os olhos mundiais se voltam para a Rússia, um país que esconde enorme população vivendo abaixo...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions