A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 29 de Maio de 2017

10/12/2014 13:07

Ruy, a águia de Haia

Por Ruy Martins Altenfelder Silva (*)

Ruy Barbosa nasceu em Salvador-BA no dia 5 de novembro de 1849, há 165 anos. Foi um dos maiores juristas brasileiros, destacando-se também como Político (com “P” maiúsculo), diplomata, escritor, filólogo, tradutor e orador. Foi um ferrenho defensor do federalismo, do abolicionismo, dos direitos e garantias individuais e da ética na política.

Ruy Barbosa foi deputado, senador, ministro e candidato à Presidência da República. Foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras e seu Presidente entre 1908 e 1919. Em 1907, Rodrigues Alves, presidente da República designou-o representante do Brasil na 2ª Conferência da Paz, em Haia, na Holanda. Sua brilhante inteligência e eloquência lhe rendeu o título de águia de Haia.

Neste momento que o Brasil vive, vale lembrar lições de Ruy Barbosa, notadamente, o discurso aos bacharelandos da Faculdade de Direito de São Paulo, em 1920, denominada “Oração aos Moços”. Ruy continua sendo o inspirador de muitas, que nele vão procurar as regras de conduta para que suas ações sejam norteadas por caminhos que levam ao cumprimento do dever. Foi um cidadão público que fez da advocacia um verdadeiro sacerdócio.

A leitura e reflexão das obras de Ruy Barbosa revigora nossa crença na prevalência dos princípios morais e éticos. Na “Oração aos Moços”, relembrou principio básico que prevalece nos dias atuais. “Entre as leis ordinárias e a lei das leis (a Constituição) é a justiça quem decide, fulminando aquelas quando com estas colidirem”.

A águia de Haia prezava os magistrados e os advogados. “São duas carreiras quase sagradas, inseparáveis uma da outra, e, tanto uma como a outra, imensas nas dificuldades, responsabilidades e utilidades”.

Ao final da inesquecível “Oração aos Moços”, Ruy foi incisivo: “Eia, senhores! Mocidade viril! Inteligência brasileira! Nobre nação explorada! Brasil de ontem e amanhã! Dai-nos o de hoje, que nos falta.

Mãos à obra da reivindicação de nossa perdida autonomia; mãos à obra da nossa reconstituição interior; mãos à obra de reconciliarmos a vida nacional com as instituições nacionais; mãos á obra de substituir pela verdade o simulacro politico da nossa existência entre as nações”, continua Ruy Barbosa.

“Trabalhai por essa que há de ser a salvação nossa. Mas não buscando salvadores. Ainda vos poderei salvar a vós mesmos. Não é sonho, meus amigos: bem sinto eu, nas pulsações do sangue, essa ressurreição ansiada. Oxalá não se me fechem os olhos, antes de lhe ver os primeiros indícios no horizonte. Assim o queira Deus”.

Ruy Barbosa morreu aos 73 anos, em Petrópolis. Sua extensa bibliografia em mais de cem volumes reúne discursos, artigos, conferências e anotações. Sua biblioteca com mais de 50 mil títulos pertence à Fundação Casa de Rui Barbosa, em antiga residência no Rio de Janeiro.

Nos dias atuais é preciso agir com firmeza, segurança e equilíbrio como nos ensinou Ruy Barbosa, cuja memória não pode ser esquecida.

(*) Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente da Academia Paulista de Letras Jurídicas – APLJ.

 

Previdência Social é direito, não mercadoria
Em 13 de maio de 2016, um conhecido me disse que, já antes de 1888, os escravos no Brasil podiam ser livres: era somente comprarem sua alforria. Come...
Aonde vamos em uma administração
Apesar da proposta do Programa de Metas ser construída por uma gestão e indicar os projetos e propostas que ela propõe implantar neste mandato, exist...
O círculo vicioso dos agrotóxicos
Por trás de cada prato de comida existe uma complexa cadeia produtiva que vai desde as pesquisas científicas até a regulação do uso de substâncias qu...
Os vices e a democracia
Penduricalho é a coisa que fica pendurada, que pende como enfeite ou adorno. Os vices, em plano federal, estadual ou municipal (vice-presidente, vice...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions