A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

16/10/2015 17:00

Santos 17: ameaça de caos logístico

Milton Lourenço (*)

Com a recente mudança no comando da Secretaria de Portos (SEP), provocada por arranjos político-partidários, o projeto Santos 17, que prevê o aprofundamento do acesso aquaviário do porto dos atuais 15 metros para 17 metros, terá de ser retomado a nível federal. Como se sabe, empresários estabelecidos em Santos pretendem firmar uma parceria com a pasta para financiar os estudos necessários sobre o aprofundamento do canal de navegação. Se sua viabilidade for comprovada, o projeto prevê que as obras de aprofundamento sejam executadas até 2017.

Com isso, os empresários esperam atrair ao porto santista navios de maiores dimensões, como os de 14 mil TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 17 pés). Atualmente, Santos só recebe porta-contêineres capazes de transportar 10 mil TEUs. De fato, fazer essa dragagem o quanto antes é fundamental para que Santos possa se consolidar como o hub port (porto concentrador de cargas) do continente.

As análises a serem financiadas pelos empresários devem ser feitas por professores da Universidade de São Paulo (USP) e técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH), mas, desde já, há claras evidências de que as obras de dragagem têm contribuído para o aumento do nível do mar e para a erosão na Ponta da Praia e em outros locais do canal do estuário de Santos.

Segundo recente estudo do Centro de Monitoramento de Desastres Naturais (Cemaden), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), da USP, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Instituto Geológico de São Paulo, o nível do mar pode aumentar 18 centímetros até 2050 e 36 até 2100. Os estudos mostram que ressacas estão ocorrendo com maior frequência na região desde o final da década de 1990, fenômeno que provoca a inundação permanente de terrenos de planície costeira, gerando elevados prejuízos socioeconômicos.

Não bastassem esses impactos de consequências imprevisíveis, é preciso levar em conta que, com sua capacidade de operacionalidade, o porto santista movimenta 3,3 milhões de carretas por ano e que, com 17 metros de profundidade, passaria a movimentar mais de 10 milhões. Se a infraestrutura rodoviária já é insuficiente para evitar congestionamentos nas rodovias e vias de acesso aos cais, está claro que, para atender a esse aumento, será necessário quadruplicá-la, além de expandir o modal ferroviário, que hoje movimenta 30 milhões de toneladas.

Com os cofres públicos vazios, a remodelação da entrada da cidade suspensa, as obras das avenidas perimetrais em ritmo lento e projetos, como o do Mergulhão e o do túnel submerso Santos-Guarujá, engavetados, pensar em aumentar a capacidade de movimentação do porto, à luz da razão, equivale a apostar no caos logístico.

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br.

Lina Tâmega Peixoto: uma grande escritora da literatura brasileira
Historicamente, as mulheres presentes na literatura brasileira sempre contribuíram enormemente para a cultura do país. Uma delas é Lina Tâmega Peixot...
Por que o Brasil não está caminhando para a expansão da Internet?
A privatização do Sistema Telebrás, em 1998, foi o embrião para as empresas investirem na universalização das redes de telecomunicação, tornando-se u...
Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions