A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

15/03/2012 15:11

Sem investimento, competitividade do agronegócio pode cair

Por Geraldo Barros (*)

Atribui-se papel fundamental ao agronegócio brasileiro diante das perspectivas de longo prazo de crescimento mundial da demanda por alimentos, fibras e energia. Dele depende, em boa parte, o suprimento mundial a preços acessíveis à população mais pobre.

Em 2050, em relação ao ano 2000, segundo projeta a FAO, o mundo terá população 33% maior, o consumo de alimentos ficará 70% maior, com o de cereais aumentando 43% e o de carnes, 74%.

No esforço para atender essas demandas, as lavouras, em escala mundial, vão contar apenas com mais 5% de terras aráveis (70 milhões de hectares, concentrados na América Latina e África). Com isso, 90% do crescimento deverá vir da intensificação dos investimentos em capital físico e na geração de inovações tecnológicas.

A FAO tem trabalhado com taxa média de aumento do agronegócio brasileiro em torno de 3,5% ao ano, maior do que a média que tem sido observada (2,9%). Acumulada para os próximos 40 anos, a diferença leva a uma produção 35% menor do que a esperada pela FAO para 2050.

Em recente pesquisa, Cassiano Bragagnolo, doutorando da Esalq/USP, apresenta evidências de que os fatores que explicam o crescimento agropecuário no Brasil foram se alterando ao longo do tempo.

Na década de 1970, foram os investimentos em capital físico e a ampliação da área utilizada que asseguraram o crescimento do setor; a produtividade, no entanto, teve pequena contração.

De 1980 a 2000, a produtividade passou a atuar positivamente para o crescimento, enquanto a lenta expansão do investimento e da área prejudicou o crescimento.

Já nos anos 2000, como a produtividade se estabilizou, o investimento e a área voltaram a ser determinantes para o crescimento e, felizmente, vêm ensaiando uma recuperação, mas não suficiente para garantir a desejada taxa de expansão do agronegócio.

Se não for recuperado o avanço da produtividade, o Brasil estará sacrificando sua competitividade, posto que é o aumento da produtividade que tem mantido os custos abaixo daqueles de seus concorrentes.

Ademais, investimentos abaixo do necessário fazem com que boa parte das máquinas, equipamentos e benfeitorias encontre-se depreciada ou obsoleta, o que também leva a perda de eficiência.

Sob tais condições, o crescimento depende da expansão da área, o que torna mais relevantes as sérias deficiências logísticas do país.

Apesar de possuir terra disponível, sua utilização eficiente não prescinde de investimentos em capital físico e em inovações tecnológicas.

Quanto ao investimento na produção agropecuária, tudo indica que, ao longo dos últimos 30 anos -devido aos profundos cortes no crédito rural- o setor não tem contado com os recursos necessários.

Dada a insuficiência de recursos próprios, o investimento estrangeiro direto pode representar a alavanca que recolocará o agronegócio na rota desejada de longo prazo.

(*)Geraldo Barros é professor titular da USP/Esalq e coordenador científico do Cepea/Esalq/USP.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions