A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

27/08/2013 14:07

Sempre mais

Ruy Martins Altenfelder Silva (*)

Ao abrir a 41ª reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), a presidente Dilma Rousseff reconheceu que o norte da voz do governo era diferente do norte das vozes das ruas, que ecoaram em todo o País nas recentes manifestações defendendo valores públicos, ética e maior representatividade. Considerou, ainda, ser dever do governo traduzir as demandas em ações práticas e, para isso, apresentou a proposta de cinco novos pactos: estabilidade fiscal, mobilidade urbana, educação, saúde e reforma política.

Apesar da louvável postura democrática de acatar as reivindicações da sociedade, não se pode ignorar que os cinco pactos se referem a graves questões que há décadas persistem como entraves ao desenvolvimento social e econômico do Brasil. Houve, é verdade, avanços, mas não foram suficientes para erradicar os problemas ou para satisfazer as novas aspirações que surgiram com a recente ascensão das classes C, D e E, decorrentes dos programas assistenciais do governo e dos ganhos salariais acima da inflação.

É da natureza humana querer mais quanto mais se tem. Essa pode ser uma – mas não a única – motivação para os protestos, que contaram com a presença maciça das classes sociais emergentes. Outra reside na ausência ou na baixa prioridade a políticas públicas voltadas para, pelo menos, minorar antigas distorções, carências e gargalos ao desenvolvimento. Na questão das finanças públicas, por exemplo, apenas medidas pontuais e temporárias são tomadas para aliviar a pesada carga tributária. Também só após as manifestações, o Legislativo avançou na aprovação de leis mais severas para coibir a corrupção. Mas ainda há muito a fazer, a começar pelo melhor uso do dinheiro público, além do respeito ao salutar princípio enfatizado pela presidente na reunião do CDES: o governo só pode gastar os recursos de que dispõe, de forma a não comprometer o equilíbrio fiscal e o controle da inflação.

Na educação, é elogiável a universalização das matrículas no ensino fundamental, o ProUni e até as polêmicas cotas para ingresso na universidade, entre outras medidas. Mas como não se preocupar com o fato resumido a seguir com base no Censo Escolar e na Prova ABC, e que ressalta mais uma vez a necessidade de se atacar a questão do ensino com total prioridade. Dos quase 1,6 milhão dos alunos do ensino básico que abandonaram a escola em 2012, mais de 1,5 milhão cursava a rede pública, tanto no nível fundamental (762 mil) quanto no médio (760 mil). Entre os que permaneceram, sete em cada dez chegaram ao terceiro ano do ciclo fundamental sem a adequada habilidade em escrita e matemática, e mais da metade tem deficiência em leitura. Com um agravante: nesse último caso, não se trata de letramento ou alfabetização, mas sim de falta de autonomia para continuar os estudos e até mesmo para prosperar numa futura profissão.

Uma política pública para a qualidade da educação não partiria do zero, e isso ocorreria não apenas na área pública. A sociedade civil, reunida no terceiro setor, vem se mobilizando há tempos para atenuar a questão em suas várias facetas. O Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) ilustra o valor dessa contribuição, ao promover estágios e aprendizagem, modalidades de formação que complementam a teoria com a prática profissional (requisito valorizadíssimo em processos seletivos para emprego ou no sucesso de negócio próprio), ao mesmo tempo em que garantem uma remuneração mensal, na forma de bolsa-auxílio para estagiários ou salário para aprendizes. Com essa renda, o jovem pode custear seus estudos e até mesmo auxiliar no orçamento familiar, o que reduz a evasão escolar, pois fica desobrigado de deixar a escola e aceitar trabalhos informais, geralmente mal remunerados, sem perspectiva de futuro e à margem das leis garantidoras de direitos.

Ao comemorar os dez anos do CDES, que é um órgão consultivo da Presidência da República composto de representantes da sociedade civil, a 41ª reunião serviu também para abrir uma rica linha de reflexão. Primeiro, o eco das vozes das ruas referendou análises e reivindicações que muitos de seus integrantes já defendiam. Segundo, valeu por um alerta aos dirigentes e líderes dos Poderes Públicos e setores importantes da sociedade. Já é tempo de se administrar as políticas públicas com o olhar voltado não para o passado e nem mesmo só para o presente. É preciso mirar o futuro, antecipando soluções para as demandas que, certamente, continuarão a vir pelos diversos canais de comunicação da sociedade. Pois, quem ficar atento poderá perceber os rumores de insatisfação antes que se transformem em gritos das ruas.

(*) Ruy Martins Altenfelder Silva é membro do CDES e presidente do CIEE e da Academia Paulista de Letras Jurídicas (APLJ).

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions