A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

25/04/2014 12:58

Simplificar a arrecadação para tornar-se mais eficiente

Por Laura Coutinho (*)

Para regularizar no cartório de registro de imóveis a situação de uma obra, seja ela uma construção nova, reforma ou demolição, é necessário apresentar, além do “habite-se”, a certidão emitida pelo INSS. Tal documento comprova que as contribuições previdenciárias relacionadas à remuneração paga aos trabalhadores da obra, como pedreiros, pintores, encanadores e eletricistas foram quitadas.

A exigência, vigente desde os anos 60, visa combater a inadimplência nas contribuições previdenciárias, problema que afeta diretamente o fundo previdenciário do trabalhador. No entanto, essa mecânica não é eficiente para inibir a evasão fiscal e ainda coloca na informalidade milhares de imóveis por todo o Brasil.

Isso ocorre porque o INSS não dispõe de estrutura suficiente para fiscalizar todas as construções e demolições, fazendo com que parte dos proprietários simplesmente aguarde o prazo de cinco anos para a prescrição das obrigações previdenciárias. Só então eles comunicam a existência da obra ao órgão público que, em virtude da inexigibilidade do crédito, emite a certidão negativa tenha havido ou não o recolhimento da contribuição.

No entanto, é possível diminuir a burocracia e aumentar a arrecadação com medidas simples que aproveitem as estruturas já existentes sem grandes custos para o bolso do contribuinte e do poder público. Uma medida que poderia facilitar a vida do cidadão e do próprio INSS seria utilizar o canal de informação já existente entre cartórios e Receita Federal para a remessa das Declarações de Operações Imobiliárias (DOIs).

Assim, a regularização da obra não estaria condicionada à apresentação da certidão expedida pelo INSS, podendo ser feita sem a apresentação da CND do INSS – uma vez que caberia ao registro de imóveis a obrigação de comunicar à Receita Federal as construções realizadas e averbadas. A instituição cruzaria essas informações, os recolhimentos efetuados e identificaria os contribuintes que não realizaram os recolhimentos devidos.

Desta forma, a fiscalização se tornaria mais eficiente e a comercialização dos imóveis continuaria livremente, uma vez que a Receita Federal seria informada, sem custos, da existência da construção.

É importante ressaltar que essa mudança facilitaria a vida do cidadão que cumpre suas obrigações, pois ele seria dispensado da obtenção de mais um documento para regularizar sua construção. Ao mesmo tempo, ela evitaria que o contribuinte em débito fosse beneficiado, impedindo-o de obter a certidão negativa de débitos quando ele próprio deixou de declarar a existência do fato gerador da cobrança previdenciária.

(*) Laura Coutinho, membro do Comitê de Comunicação da ARISP

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions