A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

15/04/2013 13:36

Tecnologia desde cedo

Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Enquanto crianças brasileiras se reúnem nas salas de aula para aprender a ler e escrever e a fazer as primeiras contas de aritmética (assim mesmo com altos níveis de deficiência), em algumas escolas primárias da Inglaterra as atividades estão mais avançadas. Os alunos aprendem a linguagem de computadores, começando com os exercícios de linguagem básica aplicados a um jogo e depois interagem com os comandos, podendo modificar a estrutura do game.

A justificativa para a empreitada é precisa: as crianças de hoje nasceram e viverão na era digital, e nada mais natural do que formar desde pequeno essa identidade. Para os especialistas ingleses, a intenção é mostrar às crianças que podem ser produtoras do conteúdo digital e não apenas seus consumidores, tornando-se pessoas mais criativas e preparadas para o futuro.

De fato, os ganhos são enormes. Tanto assim que grandes empresas de tecnologia já estão apoiando projetos, caso da Dell e da Mozilla. Com a alfabetização digital, que vem ganhando força no mundo, as nações mais desenvolvidas mostram o quanto dão importância para uma educação de qualidade e para a formação de uma geração preparada para atuar em um mercado de trabalho cada vez mais tecnológico. Além disso, mantêm-se como potências que detêm os conhecimentos da alta tecnologia, exportando seus produtos eletrônicos para as nações menos desenvolvidas e ávidas desses produtos.

Com grande déficit de profissionais em tecnologia, o Brasil pode tirar uma lição importante dessas experiências: apesar do gigantesco potencial do mercado consumidor, o país pouco produz para a era digital. Ficamos à mercê dos chips e de outros componentes eletrônicos importados dos Tigres Asiáticos e de nações tecnológicas que estão anos-luz à frente, e não vemos uma movimentação no âmbito educacional que sequer proponha soluções a curto, médio ou mesmo a longo prazo para a formação de pessoal qualificado para o setor.

Por isso que investir desde cedo, como no exemplo citado das escolas inglesas, pode ser uma alternativa interessante para uma nação que pretende crescer e se manter entre as maiores do planeta. Só que, sem tecnologia de ponta, esse desejo pode não passar de um sonho distante.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente Executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions