A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017

29/09/2012 08:57

Corte o sal

Por João Brainer Clares de Andrade (*)

No final do último semestre, o Governo Federal decidiu acelerar a expansão de vagas em cursos de Medicina por todo o País. Em feito inicial, foram credenciadas mais de duas mil vagas distribuídas por instituições públicas e privadas.

Vale destaque ainda que há anos já há uma expansão pública de vagas a futuros médicos, a despeito do crescente volume de iatrogenias e do mau desempenho de muitas instituições por todo o país.

A justificativa é coerente, mas há erro na solução: interiorizar os profissionais médicos e duplicar a proporção que hoje há quanto à população brasileira. O erro, no entanto, é claro: o crescimento tem obedecido a um ritmo caótico, pouco planejado. Crê-se que a mera oferta de profissionais ao mercado salvará as vidas que se perdem pela falta de estrutura e assistência, em todos os níveis. Parece, assim, ser mais barato: um falso alívio na consciência alheia...

A expansão de vagas é regida por um projeto incoerente: unidades formadoras mal avaliadas ou que não atendem a uma estrutura elementar ganham crédito para formar médicos, que labutam na mais extensa graduação ofertada no País e ainda demandam, na grande maioria das vezes, de formação especializada que pode requerer até mais seis anos.

Assim, a despeito da intenção dos entes públicos, é preciso expandir com responsabilidade, articulando melhorias de estrutura, assistência e gestão. Isoladamente, ofertar mais médicos, abdicando de olhos rígidos sobre a formação, é avolumar um problema, é atentar contra a saúde de milhares de inocentes.

As medidas que beiram a irresponsabilidade, quando há claro pacto de entidades públicas, ratificam famosa e repugnante frase já proferida por políticos no Estado, em que médicos são comparados ao sal: brancos, baratos e de fácil acesso... Agora, em tom ainda pior, parecem acrescer novo predicativo: médicos vindos de tal expansão condenável serão tão danosos quanto o sal...

()João Brainer Clares de Andrade

Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...
Desglobalização seletiva
Para muitos analistas, a desglobalização significa a tendência das nações se fecharem para o comércio internacional. Neste movimento estão incluídos ...
Terça-feira de carnaval não é feriado
Bem ao contrário do que a maioria pensa, a terça-feira de carnaval não é considerada oficialmente feriado nacional. O mesmo ocorre com a quarta-feira...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions