A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

22/06/2016 18:51

Um adeus à protagonista e símbolo de luta indígena em Mato Grosso do Sul

Por Lindomar Lili Sebastião (*)

Símbolo de luta, Enir Terena aos 61 anos de idade segue para outro plano, pois, a morte para o Terena culturalmente inexiste. O Terena não morre, ele muda de lugar, assim nos é repassado.

Autora de várias lutas e conquistas, Enir tornou-sea primeira mulher cacique da etnia Terena no estado de Mato Grosso do Sul, que culminou em dois mandatos consecutivos e legitimado pela sua comunidade, a aldeia urbana Marçal de Souza, localizada na Capital do Estado.

Oriunda da aldeia Limão Verde, situada no município de Aquidauana, Enir Bezerra ainda em sua adolescência, por decisão de seus familiares, migrou para cidade de Campo Grande em busca do trabalho remunerado. Já em sua fase adulta, sua luta foi de muitos anos até culminar com a fundação da aldeia urbana Marçal de Souza, uma de suas conquistas.

A terra ocupada em meados de 1995 transformou-se em aldeia urbana em 12 de fevereiro de 1999, situada em Campo Grande, capital do estado de Mato Grosso do Sul, com uma população de 700 pessoas vindas de várias aldeias tradicionais do estado.

A sua rica trajetória de líder ao longo do tempo foi um fator decisivo para a ocupação do maior cargo da chefia tradicional, que por sinal, até então, ocupado exclusivamente pelos homens. O meu objetivo, disse a cacique em sua posse: “É trabalhar para o meu povo, resolver os problemas, apoiar, a luta é a mesma, apenas a metodologia que é diferente”. Seu primeiro mandato culminou ao segundo, vitoriosa na urna eleitoral aos modos Terena, a cacique prossegue sua gestão.

Sua legitimação ao maior cargo de chefia fica na história do povo Terena, pois o inédito, a quebra do tabu na sociedade Terena deu lugar a novas protagonistas, revelando e ressignificando novos papéis da mulher indígena contemporânea. Atualmente outras mulheres exercem o cargo de vice cacique nas aldeias, como na aldeia Lalima no município de Aquidauana e na aldeia Nova Tereré, no município de Sidrolândia.

O legado que a cacique Enir Terena nos deixa é a persistência de que as mulheres indígenas podem e são capazes de serem protagonistas de sua própria história e capazes de realizarem grandes feitos para com seu povo. Um adeus a essa grande mulher que nos deixa grandes lições de vida.

(*) Lindomar Lili Sebastião é pesquisadora Terena da aldeia Água Branca, de Aquidauana.

Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...
Desglobalização seletiva
Para muitos analistas, a desglobalização significa a tendência das nações se fecharem para o comércio internacional. Neste movimento estão incluídos ...
Terça-feira de carnaval não é feriado
Bem ao contrário do que a maioria pensa, a terça-feira de carnaval não é considerada oficialmente feriado nacional. O mesmo ocorre com a quarta-feira...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions