A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Outubro de 2017

04/06/2011 11:05

Um alerta sobre a coluna vertebral, por José Gondenberg

Por José Goldenberg (*)

A queixa de dor na coluna vertebral, que acomete 80% da população ao longo da vida, é a segunda causa mais frequente de dor, perdendo apenas para a cefaleia.

Existem mais de 50 causas de doenças da coluna, além de outras em sua vizinhança que apresentam sintomas na própria coluna. Muitas acarretam risco de morte e requerem uma avaliação competente em que múltiplos aspectos devem ser considerados, entre eles a prevenção, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a reintegração social.

A tecnologia na área de imagem e da informação é importante no diagnóstico das doenças musculoesqueléticas. Porém nem sempre trouxe os benefícios esperados, visto que, em muitas das vezes, não há correlação entre os sintomas do paciente e o resultado que obtemos do exame de imagem.

É lastimável que, em muitos casos, o médico deixe de avaliar o doente de forma integrada, cuidando apenas da doença e não do ser humano.

Infelizmente, o seu raciocínio é substituído pelas imagens geradas pela tecnologia, por vezes com qualidade questionável, em que o profissional se apoia para o diagnóstico e o tratamento.

Esse caminho é inaceitável e deve ser rapidamente revertido.

O ato médico, regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina, é obrigatório em todos os casos e deve incluir histórico completo, antecedentes pessoais, familiares, psicológicos, remédios, exame físico geral completo e do aparelho locomotor e neurológico.

Essas informações auxiliam o raciocínio clínico, permitindo o diagnostico em 70% dos casos. O planejamento terapêutico deverá ser explicado e a adesão do paciente ao tratamento é fundamental, tomando medidas como suspender o tabagismo, manter peso adequado, fazer exercícios e obedecer às regras de postura.

Lamentavelmente, nem sempre o ato médico é realizado de modo adequado, e somente são solicitados exames subsidiários. No caso da coluna vertebral, todo esse cenário envolve a participação multiprofissional de médicos, psicólogos e fisioterapeutas, entre outros, com formações e visões diversas.

Ocorrem situações em que os tratamentos são recomendados sem que o paciente seja cuidadosamente avaliado e sem que haja qualquer indicação ou evidências científicas convincentes que suportem a sua utilização, muitas vezes iludindo a boa-fé dos sofredores, que, em desespero de causa, os aceitam.

E mais: nós não podemos ignorar os impactos sociais e financeiros decorrentes dos custos crescentes do diagnóstico e do tratamento.

Em conclusão: deve ser estabelecida uma relação de confiança entre médico e paciente, oferecendo ao mesmo uma medicina ética e fundamentada em evidências científicas, sempre associadas à experiência do médico.

(*) José Goldenberg é professor livre-docente de reumatologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e médico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Um bom texto vai muito além do simples ato de escrever frases
Todos os dias entramos em contato com diferentes textos. Jornais, revistas, poesia, bulas de remédios e propagandas fazem parte da rotina. Nossa escr...
O desafio de ensinar matemática
No mundo atual, com tanta tecnologia e diversão, como fazer um pré-adolescente, de 12 ou 13 anos de idade, acostumado com computadores, celulares e v...
O futuro do 42º porto do mundo
Embora seja o maior da América Latina e o 42º no ranking mundial divulgado há poucos dias pelo Lloyd´s List Maritime Intelligence, de Londres, o port...
O direito a desconexão do trabalho
Trabalho é meio de vida e não meio de morte. Essa afirmação confronta a realidade de milhões de profissionais brasileiros que são obrigados a enfrent...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions