A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

01/11/2016 14:55

Um importante legado político

Por Heitor Freire (*)

O Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul é um local que reconhecidamente congrega parte da história viva do nosso antigo estado e do atual. A presidência é exercida desde 2002 pelo professor Hildebrando Campestrini, que lhe deu a dimensão que ostenta hoje.

Os dois fundamentos da política do nosso antigo estado estão ali representados: a velha UDN e o velho PSD. Velhos no sentido de antigos e vetustos; hoje, na galeria da história. A UDN é representada por Renato Alves Ribeiro, filho do lendário coronel Zelito, e Wilson Barbosa Martins, ambos chegando ao centenário, e também pelo senador Ruben Figueiró.

O lema da UDN era baseado numa frase atribuída a Thomas Jefferson: “O preço da liberdade é a eterna vigilância”. Representava o conservadorismo. Já o PSD, na pessoa do bravo Francisco Leal de Queiróz, que tinha como característica o jeito mineiro de ser, matreiro e, muito experiente na política.

No quadro de associados eméritos do IHG-MS, além dos já citados, convivemos com os não menos célebres João Pereira da Rosa – fundador e primeiro reitor da universidade federal -, general João Francisco Ferreira, ex-comandante do Comando Militar do Oeste, e com o sempre bem humorado Agostinho Gonçalves da Motta, remanescente da Força Expedicionária Brasileira, que lutou nos campos da Itália, na Segunda Guerra Mundial.

Conviver com essas personalidades é um privilégio e uma honra. Mas hoje vou tratar especificamente de um deles: Francisco Leal de Queiróz, político atuante durante mais de setenta anos em nosso estado. O “dr. Leal”, como é chamado, é testemunha de inúmeros fatos inusitados dos quais me fez guardião, sob o compromisso da confidencialidade. Para mim é fácil de cumprir, porque estou acostumado a isso pela filosofia que norteia a minha vida e que é a mesma do dr. Leal. A iniciação política dele se fez de modo inesperado.

Aluno do Instituto Americano de Lins, que era o destino natural de muitos estudantes de nosso estado, concluiu o curso secundário em 1945, aos 18 anos, e preparava-se para mudar para o Rio de Janeiro onde cursaria a Faculdade de Direito. Tirou seu título de eleitor nessa época para votar para presidente no general Eurico Gaspar Dutra, então candidato pelo PSD – Partido Social Democrático –, partido que não tem nada a ver com o seu homônimo atual.

Por ser próximo da família de Ulysses Guimarães (incluindo aí Ruth, que se tornaria secretária pessoal do irmão Ulysses por toda a vida), também moradora de Lins, Leal foi convidado pelo jovem político para participar de um comício em Penápolis, onde Ulysses lançaria sua candidatura a deputado estadual.

Como até então sua oratória era utilizada somente nos debates escolares, Leal aceitou o desafio que se tornou o seu batismo político, recebendo de Ulysses as instruções de como fazer o discurso. Empolgou e empolgou-se. Ulysses Guimarães começava aí sua carreira política vitoriosa.

Em 1950 Leal foi novamente convidado para participar da campanha de Ulysses, já candidato a deputado federal, mas declinou da honraria porque o professor tinha sido tão bom que o próprio Leal resolveu candidatar-se a deputado estadual pelo PSD em Paranaíba, sua terra natal, sendo eleito com expressiva votação, aos vinte e três anos de idade. Em 1954 Leal foi reeleito.

Em 1958 foi eleito prefeito de Três Lagoas, derrotando a coligação UDN-PTB. Em 1962 foi eleito para um terceiro mandato como deputado estadual. De 1965 a 1970 foi secretário de Interior e Justiça do governo Pedro Pedrossian, em Mato Grosso, sendo o seu principal articulador político. Conseguiu também desmontar o movimento que pretendia cassar o mandato de Pedrossian como governador.

Mais tarde tornou-se, já no novo estado, representante do governo estadual em Brasília, durante o mandato de Wilson Barbosa Martins. Na administração do governador Marcelo Miranda foi secretário de Justiça e Segurança Pública. Este ano, participou das eleições municipais, votando nos dois turnos.

E assim, no limiar de seus noventa anos, encerra uma participação política de 71 anos, de 1945 a 2016. Sempre lúcido e atento a tudo o que acontece no país e no mundo, deixa um importante legado político para a posteridade.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions