A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

28/04/2012 09:31

Um jogo de xadrez

Por Rosildo Barcellos (*)

13 de maio de 1988...começa o jogo. É um jogo de xadrez.

Mas que por mão mágica é movida. No entanto:os brancos saem na frente

Invejo a lucidez desse jogo porque mesmo não tendo toda a

decisão tenho a capacidade de influenciá-lo. E depois mais cedo ou

mais tarde tenho de aprender a respeitar a ordem natural das coisas e

mudar as peças para que joguem ao meu favor.

Mas acredito que na vida, apesar de tudo, a verdade e a

justiça sempre acabam por triunfar e sem pestanejar prossigo o ato, o

jogo continua...as peças pretas saem loucos para atingir a última

linha. sabe-se apenas que se regras forem violadas há o risco do peão

não chegar . Chega a hora de reunir o necessário e esquecer o

acessório conduzindo o destino de cada peça. Começo a perceber uma

regra de continuidade e de respostas em cada jogada. É o nosso

cotidiano.

Aprender a mover as peças é entender que dois exércitos

se enfrentam. São peças pretas contra as peças brancas e peças

brancas contra peças pretas e cada jogador tem 16 delas. Essa é a

nossa única diferença:não sabemos quanto tempo temos,quantos dias

teremos e não sabemos se obteremos chance de consertar o mal que

fizemos ou identificar qual foi a nossa “jogada errada” . Mas o

objetivo é o mesmo : fazer com que ao final o rei adversário fique sem

saída e abdique...é o xeque-mate.

Na vida real cada decisão nossa é um xeque-mate. Mas

algumas regras são importantes saber ! Por exemplo:uma pedra preta

será sempre uma pedra preta mas isso não interfere no jogo pois não

são somente as brancas que ganham. Um outro exemplo é o movimento do

cavalo: muitas vezes devemos desviar de algo para atingir nosso objetivo

e depois um terceiro exemplo: um peão que vira dama mesmo com toda a

movimentação diferenciada pode “morrer” nas mãos de uma outra

peça, mesmo que seja um imoderado e simples peão.

É assim é a nossa vida, tal qual um jogo de xadrez, nossas

idas e vindas, nossos problemas atribuladores a enfrentar. O jogo não

acaba sem angústia e sem perdas para ambos os lados. Cada ato nosso é

mais uma jogada, a favor claro do brilhantismo do jogo; a favor do

realce de matizes da vida, limites traçados para o amor em preto e

branco. 13 de maio de 2012; fim do jogo? Talvez? Entretanto um grande

fato nunca devemos esquecer ... o movimento de uma pedra interfere no

movimento das outras. E sem dúvida nenhuma o mais importante é a

surpresa do "Gran Finale" que particularmente me encanta: pedras brancas

e pedras pretas;a toda poderosa rainha, a esnobe torre,o filantropo

Bispo ou o humilde peão, sem outra alternativa, voltam para a mesma

caixinha!

(*)Rosildo Barcellos é articulista e Professor Da UCDC

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions