A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

19/08/2011 09:55

Uma nova agenda para o Brasil

Por Milton Lourenço (*)

Até o século XX, uma forma que toda grande nação encontrava de ocupar espaço e reafirmar hegemonia era o expansionismo baseado no poderio militar. Essa premissa valeu até o fim da Guerra Fria (1945-1991) e, se serviu para colocar os EUA numa situação de supremacia mundial, comprometeu em boa parte o futuro da Rússia que, empenhada na corrida espacial e na ocupação de espaços no mundo a pretexto de “vender” a suposta excelência do estilo de vida soviético, não investiu como deveria em sua infraestrutura que hoje surpreende desfavoravelmente o visitante tal a sua precariedade.

No século XXI, o expansionismo não foi enterrado, mas, pelo contrário, adquiriu uma nova forma, ou seja, a comercial. Isso significa que qualquer país que, por sua formação, circunstâncias históricas, conformação física e potencial econômico, tenha alguma importância deve claramente ter traçada uma estratégia de expansionismo comercial, sob o risco de ser ultrapassado por aqueles que já têm esse tipo de objetivo definido.

O Brasil, em que pese ter aumentado sobremaneira nos últimos quinze anos o seu comércio internacional, infelizmente, não definiu até hoje uma estratégia de expansionismo comercial, como o fez, por exemplo, a China a partir da década de 1980. Nunca se viu em nenhum governo brasileiro a preocupação de se colocar em prática uma poderosa diplomacia comercial, que pudesse abrir caminhos no mundo para o produto nacional.

A prova é que, embora nos últimos oito anos as exportações tenham triplicado, o País continua a se satisfazer com ínfimo 1% de participação no comércio global, o que é muito pouco para uma nação das dimensões e importância geopolítica do Brasil. Sem contar que grande parte dos números das exportações é proveniente da venda de commodities – minério de ferro, soja e suco de laranja, principalmente – e não de produtos de alto valor agregado.

Para piorar, nos últimos meses, houve um crescimento da entrada no País de produtos de tecnologia ou manufaturados, especialmente porque a indústria local, sem competitividade, acaba estimulando a importação. Segundo dados da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), entre 2004 e 2010, o consumo interno de bens de média e alta tecnologia cresceu 76%, a produção apenas 40% e as importações 177%.

Em contrapartida, o País, se já ocupa modestamente a 58ª posição em termos de competitividade, segundo o Fórum Econômico Mundial, tem agora pela frente outro obstáculo em sua pretensão de aumentar o valor agregado de sua pauta e vender mais produtos industrializados: a queda do dólar.

Diante disso, está mais do que na hora de o País adotar uma agenda estratégica de expansionismo comercial que deve começar pela simplificação e desburocratização das operações de comércio exterior, passando por um fortalecimento dos órgãos fiscalizadores de práticas ilícitas e de defesa comercial, até uma política de negociação mais ampla e ostensiva, que inclua a assinatura de acordos de livre comércio.

Basta ver que, enquanto nos últimos oito anos o Chile assinou 45 acordos desse tipo e o México, 42, o Brasil limitou-se a dois, de reduzida importância comercial, com Israel e Egito. Ninguém é contra o crescimento das importações.

Pelo contrário, desde que esse crescimento seja acompanhado pelo aumento das exportações, especialmente de produtos de valor agregado, a fim de que a balança comercial não entre em desequilíbrio. Ao que parece, porém, esta é uma agenda que ainda não faz parte dos planos do atual governo.

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC).

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions