ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, TERÇA  02    CAMPO GRANDE 30º

Beba das Crônicas

A vida passa ligeira, o amanhã já aparece nos vãos da janela...

Por André Alvez | 06/02/2021 09:31

Quando eu tinha vinte anos, chamava de velho todas as pessoas de quarenta. Para o jovem que eu era, tudo era ultrapassado naqueles senhores e senhoras tragando cigarros pelas ruas da cidade.

Aos vinte e cinco eu já fumava e bebia, mas nunca nas calçadas, preferia as mesas de bar, de onde, entre uma tragada e um gole de cerveja, olhava com desdém quem tinha cinquenta: Insuportáveis, metidos a tudo entender - eu dizia, entre os dentes cerrados -.

Quando fiz trinta, comecei a mirar nas pessoas de sessenta; considerava a turma toda uma velharada ultrapassada e decadente, prontas para a morte.

Quando fiz quarenta, meu alvo eram os velhinhos de setenta; povo chato, pé na cova, humanos obsoletos.

Agora, aos cinquenta, quando o caminho de ida acabou e a curva da volta apertou meus calcanhares, relembro o rapaz babaca que fui aos vinte anos, guri idiota que não entendia nada sobre os reais sentidos da vida e pouco aproveitou as chances ofertadas.

Quando fizer sessenta, volto aqui para falar mal das pessoas de trinta, porque elas sempre se acham as melhores em tudo e não percebem a cabeça já um tanto cansada.

Aos setenta, falarei mal da turma de quarenta, certamente os mais insuportáveis de então.

Se fizer oitenta, não livrarei maledicências dos de cinquenta.

E se por acaso atingir os noventa, não me procurem, estarei escondido dentro de uma caixa, com medo dos pensamentos do guri de vinte anos morador da casa da esquina...

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário