ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  11    CAMPO GRANDE 15º

Cidades

“Adolescente também morre”, diz pai sobre risco de suspensão de vacina

Mato Grosso do Sul pretende priorizar reforço de idosos em detrimento da imunização de adolescentes e crianças

Por Aletheya Alves | 17/08/2021 15:14
Adolescente recebendo vacina contra covid-19, no Guanandizão, em Campo Grande. (Foto: Arquivo/Marcos Maluf)
Adolescente recebendo vacina contra covid-19, no Guanandizão, em Campo Grande. (Foto: Arquivo/Marcos Maluf)

Após o anúncio do secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, sobre pretensão em priorizar a terceira dose contra covid-19 para idosos, responsáveis por crianças e adolescentes receberam a notícia com preocupação. Durante a última semana, a pasta autorizou que municípios passassem a aplicar a vacina em adolescentes, mas nova pretensão pode modificar o cenário.

“Criança também morre, adolescente também morre”, resumiu o jornalista Paulo Renato Coelho Netto, de 56 anos, sobre a preocupação com a possibilidade de maior demora para vacinação dos novos públicos. Com um filho de 12 anos, ele comenta que recebeu a informação como uma bomba.

Com o cadastro de imunização aberto para adolescentes em Campo Grande, Paulo conta que a ansiedade, que já era grande, havia aumentado em casa durante as últimas semanas. “O cadastro foi aberto e minha filha de 16 anos vacinou, já meu filho, está esperando a vez dele há 17 meses. Ele querendo ir para a escola e está aqui esperando”.

Destacando que a falta de imunização fez com que o adolescente ainda não retornasse às aulas presenciais, Paulo explica que caso a pretensão de Mato Grosso do Sul em atrasar a imunização dos adolescentes siga, ele irá buscar a Justiça. “Isso é uma irresponsabilidade, se isso acontecer, eu vou dar um jeito de contestar judicialmente e buscar os direitos do meu filho”.

Através das redes sociais, responsáveis por crianças e adolescentes também questionaram o anúncio do secretário estadual de saúde. “Os alunos foram obrigados a retornar e agora não vão vacinar? E outra, agora que começaram, tem que terminar, se não vai ficar injusto”, diz Natália Martins.

No mesmo sentido, João Vitor Alves destacou que a covid-19 segue matando pessoas de variadas idades, “e os jovens estão sendo obrigados a voltar às aulas e pegar ônibus”, diz.

Justificativas - Durante coletiva em que informou sobre a pretensão de Mato Grosso do Sul em priorizar reforço de idosos, ao invés, da imunização de adolescentes e crianças, Geraldo Resende alegou que pessoas mais velhas, incluindo as que já tomaram duas doses, têm apresentado redução na imunidade. Para conseguir a aplicação da 3ª dose, o secretário explicou que houve um pedido ao Ministério da Saúde para que houvesse autorização.

Sobre a aplicação do reforço, a OMS (Organização Mundial da Saúde) destacou que não há evidências científicas concretas sobre a necessidade e eficácia da 3ª dose. Em seu posicionamento, a entidade relatou que a prioridade deve ser iniciar a vacinação em toda a população antes de pensar no reforço.

Durante a última semana, a secretaria autorizou que os municípios vacinassem adolescentes, caso já tivessem aplicado ao menos a primeira dose em adultos. Por isso, nesta terça-feira (17), Campo Grande está vacinando pessoas acima de 15 anos.

Nos siga no Google Notícias