ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  01    CAMPO GRANDE 17º

Cidades

Alvo de Ivinhema foi preso com quase meio milhão de reais em espécie

Empresa de fachada em MS, com ligações com o Comando Vermelho abastecia o Nordeste com maconha

Por Jhefferson Gamarra | 22/06/2021 14:19
Valor apreendido pela Polícia Civil em Ivinhema (Foto: Divulgação/PCMS)
Valor apreendido pela Polícia Civil em Ivinhema (Foto: Divulgação/PCMS)

Alvo da Operação Suborno em Mato Grosso do Sul, deflagrada com o objetivo identificar e desarticular uma associação criminosa voltada à prática de crimes como tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, foi preso em Ivinhema, a 262 quilômetros de Campo Grande, com R$ 440 mil reais em espécie e uma pistola calibre .45.

De acordo com o delegado titular de Ivinhema, Felipe Alvarez, a quantia apreendida estava divida entre notas de R$ 100 e R$ 50 e a arma de fogo estava com a numeração raspada. Além disso foram apreendidos dois pendrives, um aparelho de celular e um notebook.

O dinheiro e os eletrônicos serão encaminhados para a polícia de Pernambuco. O preso está na delegacia de Ivinhema aguardando a transferência para a unidade prisional local.

Uma pistola .45 com numeração raspada também foi apreendida (Foto: Divulgação/PCMS)
Uma pistola .45 com numeração raspada também foi apreendida (Foto: Divulgação/PCMS)

A operação que foi deflagrada pela Polícia Civil de Pernambuco prendeu duas pessoas em Mato Grosso do Sul. Um dos alvos sul-mato-grossense era proprietário de uma empresa que atuava como fachada para lavagem de capitais e tráfico de drogas com ligações ao Comando Vermelho. O segundo suspeito era maior beneficiário de uma empresa e atuava como laranja, recebendo valores para ocultá-los e posteriormente dar origem legal através de notas falsas.

De acordo com o delegado pernambucano Ivaldo Pereira Santiago Júnior, responsável pelas investigações, Mato Grosso do Sul era o Estado responsável por abastecer estados do nordeste com maconha. Ao chegar no estado pernambucano as drogas eram distribuídas e do dinheiro lavado através de empresas de laticínios, cosméticos e postos de gasolina.

Além de Mato Grosso do Sul, a associação criminosa atuava nos estados de Pernambuco, Rio Grande no Norte, Mato Grosso e Acre. Na força-tarefa de hoje foram empregados 130 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães das polícias civis dos estados onde o grupo tinha atuação.

Ao todo, a 6ª Vara Criminal do Recife emitiu 20 mandados de prisão e 26 de busca e apreensão domiciliar, sequestro de imóveis e veículos e bloqueio judicial de ativos financeiros. Além disso, diversas armas, joias, relógios e dinheiros em espécie foram apreendidos.



Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário