ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Antes de menina de dois anos, 21 crianças tiveram mortes violentas em MS

Levantamento mostra que houve redução de 44% nas mortes violentas com vítimas entre 0 e 17 anos no ano passado

Ana Paula Chuva | 20/07/2023 17:10
Mãe mostra ferimento na cabeça da filha e questiona padrasto, exatamente 1 ano antes da morte (Foto: Reprodução)
Mãe mostra ferimento na cabeça da filha e questiona padrasto, exatamente 1 ano antes da morte (Foto: Reprodução)

Antes da menina de 2 anos, espancada e morta pelo padrasto Christian Campoçano Leitheim, 25 anos, ao menos 21 crianças entre 0 e 17 anos tiveram mortes violentas em 2022, uma delas sendo "Estrelinha". O crime contra a pequena moradora do Bairro Coronel Antonino aconteceu em janeiro deste ano e não entrou nos dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgados nesta quinta-feira (20).

Conforme o levantamento, Mato Grosso do Sul registrou 38 mortes violentas de crianças entre 0 e 17 anos em 2021, já em 2022 foram 21, que representa uma queda de 44,7%. Deixando o Estado em segundo no ranking nacional, atrás do Amapá com uma queda de 65,9%. Já o maior aumento no país foi em Sergipe com 95,5%.

Dos casos registrados em Mato Grosso do Sul em 2022, 5 vítimas tinham entre 0 e 11 anos e 16 entre 12 e 17 anos, queda de 58,3% e 38,5%, respectivamente. Em números absolutos, no Brasil, foram 2.489 mortes violentas em 2022 contra 2.555 em 2021, uma queda de 2,6% a nível nacional.

Os dados revelam também que, no ano passado, Mato Groso do Sul registrou aumento nos registros de lesão corporal dolosa contra crianças de 0 a 17 anos, no contexto de violência doméstica. Sendo 453 casos contra 434 em 2021, crescimento de 4,4. No entanto, no recorte por faixa etária, houve queda de 24,4% nas vítimas até 4 anos, 31,8% entre 5 e 9 anos e 14,6% entre 14 e 17 anos.

Já entre crianças de 10 a 13 anos foram registrados 158 casos em 2022, contra 75 em 2021, ou seja, um aumento de 110,7%, deixando Mato Grosso do Sul atrás apenas do Amazonas que teve um crescimento de 900% entre os dois anos. Em números absolutos, o Brasil apresentou aumento de 3,5% em crimes de lesão corporal contra crianças, sendo 14.856 em 2021 e 15.370 ano passado.

Ainda segundo o levantamento, o campeão entre os crimes não letais é o estupro de vulnerável, com 51.971 registros em 2022, em segundo lugar entra os maus-tratos com 22.527, seguido pela lesão corporal. Depois, vem o abandono de incapaz com 9.348 casos e, no final da lista, seguem a pornografia infantil com 1.630, exploração sexual com 889 e abandono material com 879 registros.

Quintal da casa onde menina morava com a mãe e o padrasto logo após o crime (Foto: Henrique Kawaminami | Arquivo)
Quintal da casa onde menina morava com a mãe e o padrasto logo após o crime (Foto: Henrique Kawaminami | Arquivo)

Menina de 2 anos - Na tarde do dia 26 de janeiro deste ano, a menina de 2 anos e 7 meses deu entrada na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Coronel Antonino, no norte de Campo Grande, já sem vida. Inicialmente, a mãe, que foi até lá sozinha com a criança nos braços, sustentou versão de que ela havia passado mal, mas investigação médica apontou lesões pelo corpo, além de constatar que a morte havia ocorrido cerca de quatro horas antes de chegar ao local.

O atestado de óbito apontou que a menininha morreu por sofrer trauma raquimedular na coluna cervical (nuca) e hemotórax bilateral (hemorragia e acúmulo de sangue entre os pulmões e a parede torácica). Exame necroscópico também mostrou que a criança sofria agressões há algum tempo e tinha ruptura cicatrizada do hímen – sinal de que sofreu violência sexual.

O padrasto responde pelo homicídio com as três qualificadoras e pelo estupro, já a mãe da menina, pelo homicídio, como o Christian, mesmo que não tenha agredido a filha, mas porque, no entendimento do Ministério Público, ela se omitiu do dever de cuidar.

Na delegacia, Christian optou por exercer o direito ao silêncio. Já Stephanie afirmou que o companheiro batia na filha como forma de correção, mas negou que ele tivesse espancado a enteada naquele dia. Ela alega que nunca denunciou por medo do marido, já que também era vítima de violência doméstica. Os dois ainda não foram interrogados em juízo.

A morte jogou luz sob processo lento e longo que a menina protagonizou com idas frequentes à unidade de saúde - 30 vezes em 2 anos -, tentativa do pai em obter a guarda após suspeita de que a criança era vítima de agressão e provocou série de audiências públicas, protestos e mobilização para criação da Casa da Criança, bem como soluções ao falho sistema de proteção à criança e ao adolescente em todo o Brasil.

Stephanie de Jesus, mãe da menina, e Christian, ambos presos pelo crime (Foto: Reprodução | Redes Sociais)
Stephanie de Jesus, mãe da menina, e Christian, ambos presos pelo crime (Foto: Reprodução | Redes Sociais)

*Os nomes são ditos pelos acusados, mas foram omitidos ou trocados por outras palavras para preservar a identidade das crianças, como prevê o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias