ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Avó de menina assassinada senta ao lado de ex-genro e diz que não perdoa filha

Avó, pai de menina e companheiro participam de audiência na Câmara esta manhã

Maristela Brunetto e Jéssica Benites | 15/02/2023 10:11
Delziene ao lado do ex-genro na audiência na Câmara. (Foto: Henrique Kawaminami)
Delziene ao lado do ex-genro na audiência na Câmara. (Foto: Henrique Kawaminami)

A avó da menina de 2 anos morta em Campo Grande após sofrer violência doméstica, Delziene da Silva de Jesus, de 48 anos, disse que desde a data em que neta morreu, em 26 de janeiro, ela não tem contato com a filha e disse que também não pretende ter. Ela revelou não perdoá-la pela morte da criança. Stephanie de Jesus da Silva e o marido, Christian Campoçano Leitheim, foram presos em flagrante e responderão em juízo por homicídio qualificado, no caso da mãe por ter se omitido e permitido o resultado. A ele, ainda foi imputado estupro, que foi constatado pelo IMOL (Instituto Médico e Odontológico Legal)

Delziene participa da audiência pública que a Câmara de Vereadores de Campo Grande promove esta manhã para ouvir o relato de Jean Carlos Ocampos, pai da criança, o companheiro dele, Igor de Andrade, e outros pais para que relatem como funciona a rede de atendimento para as crianças e adolescentes. Os três sentaram juntos no plenário.

A avó contou que Stephanie se afastou dela depois que engatou o novo relacionamento, chegando a dizer que a filha mudou de comportamento. “Existem duas Stephianies”, apontou. Ela conta que a filha sempre trabalhou, tendo até sido premiada. Quando ela começou a se relacionar com Campoçano, ainda morava perto da mãe, que tentava estar presente.

No começo do ano passado, quando a criança apareceu com hematomas e o pai foi a primeira vez à Polícia Civil, ele chegou a mencionar o alerta feito pela sogra, de que a filha batia na criança. Juntas, as duas foram ouvidas na investigação. Stephanie chegou a dizer que houve exagero na acusação e Delziene disse que a filha corrigia a criança, que estaria estressada porque iniciava nova gravidez, mas que não se tratava de agressões. Esse fato acabou arquivado em juízo.

Delziene contou que depois que a filha se mudou, nas vezes em que viu a neta não constatou sinais de agressão. Stephanie a procurava, conta, somente quando precisava de auxílio para as despesas. Ela diz que, hoje, depois do que ocorreu, acredita que a filha viveu um relacionamento abusivo, apontando que jamais imaginaria que ela pudesse acobertar as agressões à criança.

A avó disse que desde a morte da neta mais velha, não conseguiu ver o bebê de Stephanie, que está com os pais de Campoçano. Em uma ocasião recebeu uma foto e revelou que pretende ter a guarda da criança.

A audiência - A audiência foi promovida pela recém-criada Comissão para Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente e a de Direitos Humanos. Quem conduz é o presidente da primeira, Alirio Villasanti. Há também representantes dos serviços de atendimento, como Conselho Tutelar. A rede ficou muito exposta a críticas após o pai revelar ter percorrido vários serviços em busca de atenção para suas suspeitas de que a criança sofria violência, uma vez que sempre a via com hematomas nas vezes em que ficava com a menina, além do sofrimento psicológico que ela apresentava. Ele registrou duas ocorrências na DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), ambas enquadradas como maus-tratos, sendo a primeira arquivada e a segunda, registrada em 22 de novembro, com a filha com a perna engessada, transformada em denúncia pelo Ministério Público na semana passada.

Nos siga no Google Notícias