ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 14º

Cidades

Avanço da dengue sem ambiente ideal para mosquito acende alerta da Saúde

Cerca de 40 entidades se reuniram para discutir semana de combate ao mosquito Aedes aegypti

Por Ana Oshiro e Cleber Gellio | 24/05/2022 10:31
Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)
Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya (Foto: Arquivo/Henrique Kawaminami)

Na manhã desta terça-feira (24) cerca de 40 entidades, entre SES (Secretaria Estadual de Saúde) e Ministério da Saúde, se reuniram no auditório da governadoria, no Parque dos Poderes, em Campo Grande, para debater ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Em cinco meses, Mato Grosso do Sul já registrou nove mortes por dengue, e mais três estão em análise nesta semana, de acordo com o secretário da SES, Flávio Britto. "Estamos com números crescentes de casos e não estamos ainda num ambiente de clima favorável para essa propagação do mosquito, por isso estamos preocupados", explicou o secretário.

De hoje até quinta-feira membros do Ministério da Saúde participam de várias reuniões e visitas de campos para estudarem a melhor forma de combater o mosquito. No último ano, em 2021, 70% dos casos de dengue estavam concentrados em 195 cidades, sendo a maioria na região centro-oeste.

Pablo, consultor técnico do Ministério da Saúde, explica motivo das reuniões (Foto: Marcos Maluf)
Pablo, consultor técnico do Ministério da Saúde, explica motivo das reuniões (Foto: Marcos Maluf)

"Estamos rodando os estados pra entender como o mosquito Aedes aegypti se manifesta em cada região do país, que tem registrado um número crescente de casos da dengue, zika e chikungunya. Também estamos fazendo reuniões para trabalhar a estruturação desse cenário para evitar, não somente o aumento do número de casos, mas para evitar a gravidade e óbitos", explicou Pablo Fontoura, consultor técnico da CGARB (Coordenação Geral de Vigilância das Arboviroses) do Ministério da Saúde.

Para o secretário da SES, é importante que a população se mantenha sempre em alerta. "Tira 5 ou 15 minutos por dia para olhar seu quintal, aproveita e dá uma olhada no terreno do vizinho também, é muito importante que todo cidadão faça sua parte, pois estamos com um número alto para este período", finalizou Flávio.

Secretário da SES MS, Flávio Britto (Foto: Marcos Maluf)
Secretário da SES MS, Flávio Britto (Foto: Marcos Maluf)

Entre as ações que estão sendo debatidas, está uma semana de mobilizações que acontecerá em diversos locais do país entre 20 e 24 de junho, com mutirão de limpeza e orientação para a população.

Nesta quarta-feira (25), a programação continua e terá o painel “Manejo Clínico e Vigilância Laboratorial”, do pesquisador Rivaldo Venâncio, e outro sobre investigação de óbitos. Já na quinta-feira (26), haverá visita técnica ao Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública) e à Sesau (Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande).

Nos siga no Google Notícias