ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  14    CAMPO GRANDE 28º

Cidades

Com mudança em jornada quase certa, servidores querem tempo de adaptação

Representantes de sindicatos afirmam que grande parte dos servidores prestou concurso para jornada de 8 horas, reduzida no passado para gerar economia

Por Humberto Marques e Mayara Bueno | 11/03/2019 15:46
Representantes de sindicatos participam nesta tarde de novas rodadas de reuniões para debater mudança em jornada. (Foto: Mayara Bueno)
Representantes de sindicatos participam nesta tarde de novas rodadas de reuniões para debater mudança em jornada. (Foto: Mayara Bueno)

Admitindo dificuldades para impedir o retorno à jornada de oito horas diárias na administração estadual, representantes de servidores efetivos que foram aprovados em concurso público com tal carga de trabalho esperam, ao menos, que o governo do Estado dê tempo para “adaptação” do funcionalismo. Foi o que disseram sindicalistas que conversaram com o Campo Grande News momentos antes do início de nova rodada de reuniões com o secretário estadual de Administração e Desburocratização, Roberto Hashioka, e seu adjunto, Édio Viegas, na tarde desta segunda-feira (11).

A adoção da jornada de oito horas vem sendo defendida pela administração do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) como alternativa para melhorar a contraprestação de serviço à população com um custo mínimo na folha de pessoal –menor, por exemplo, que a contratação de mais servidores. Além desse tema, os sindicatos vêm recebendo informações sobre o projeto do PDV (Plano de Demissão Voluntária), focado no desligamento de servidores efetivos mediante compensações por ano trabalho e bonificação total de 30%, entre outros pontos.

Pela manhã, ocorreram as primeiras reuniões com sindicalistas para tratar dos temas. José Carlos Bombassaro, presidente do Sindage (Sindicato dos Auditores e Técnicos da Auditoria-Geral do Estado), afirma ter a intenção de entender melhor a proposta do governo, dizendo-se, “a princípio, contra fazer isso no afogadilho, porque tem diversas pessoas com filhos pequenos, na creche, e como costumam sair entre 13h, 13h15, precisam de um tempo para se adequar”.

“Se está ruim para o governo, também fica para as famílias”, disse Bombassaro, admitindo, porém, que não haverá como a categoria –considerada por ele pequena, com 65 servidores– deixar de adotar as oito horas diárias. “O concurso da categoria foi para oito horas”, disse, reforçando que o processo seletivo ocorreu em 2002, dois anos antes da alteração no governo de Zeca do PT que reduziu para seis horas a carga diária de trabalho de alguns servidores, com o intuito de gerar economia.

Representante da Associação dos Servidores da Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul), Jorge Ferreira Dias afirma que o órgão tem 110 servidores também em jornada de seis horas diárias –das 7h30 às 13h30–, que também não teriam alternativa, caso desejem continuar nos cargos, a não ser voltar às 40 horas semanais.

Hashioka (à esquerda) e Édio comandam debates sobre alteração de jornada e PDV. (Foto: Mayara Bueno)
Hashioka (à esquerda) e Édio comandam debates sobre alteração de jornada e PDV. (Foto: Mayara Bueno)

Efeito – “Todo o servidor que fez concurso estava ciente de que eram oito horas (por dia), mas que, ao menos, deem tempo para que os servidores se adequem”, pontuou Dias, ao considerar que o aumento da jornada não traria muitos efeitos à Jucems, já que a grande maioria dos serviços disponíveis à população é feito online.

Com avaliação semelhante, Flávio Freitas, do Sinmed-MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul), afirma que cerca de 500 profissionais são concursados no Estado, a maioria ligada ao Hospital Regional Rosa Pedrossian. “Os médicos já têm regras diferenciadas, com concursos que têm jornadas de 12, 24 ou 36 horas semanais. E às vezes já cumprem bem mais”, afirmou, reiterando que, independentemente de sua avaliação, levará o conteúdo dos debates a assembleia da categoria, marcada para 21 de março.

Freitas também disse ter interesse em detalhes do PDV, embora também não acredite que o plano de demissão terá muita adesão da categoria.

A reunião também contou com a presença de Fabiana Fernandes, representando a Acaj (Associação dos Advogados de Assessoria Jurídica), e Renato Maia, da Asprems (Associação dos Procuradores do Estado). Também haverá mais um encontro nesta segunda-feira, marcado para as 16h, e outro na terça (12), às 9h. A intenção do Estado é debater com todas as categorias a possibilidade de voltar à jornada de oito horas –o que deve atingir, diretamente, cerca de 16 mil servidores, segundo Hashioka.