ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  23    CAMPO GRANDE 34º

Cidades

Com vacinação parada, mortes e casos de covid continuam em alta no Estado

Mais da metade (30) das mortes confirmadas hoje eram de pacientes com menos de 60 anos

Por Guilherme Correia | 15/06/2021 11:07
Contrariando decreto estadual, comércio no Centro de Campo Grande pode funcionar normalmente (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)
Contrariando decreto estadual, comércio no Centro de Campo Grande pode funcionar normalmente (Foto: Marcos Maluf/Arquivo)

Boletim epidemiológico publicado nesta terça-feira (15) traz 1,3 mil infectados e 52 óbitos por covid-19 em Mato Grosso do Sul, confirmados nas últimas 24 horas. Com isso, o Estado chega a 315,8 mil confirmações e 7.569 óbitos desde o início da pandemia.

Maioria (30) das mortes confirmadas apenas hoje são de pacientes com menos de 60 anos, o que confirma cada vez mais que a pandemia tem feito vítimas mais jovens, ao passo em que a campanha de vacinação já tem protegido um pouco mais os idosos.

Atualmente, conforme o vacinômetro, 36% da população sul-mato-grossense recebeu ao menos uma dose e apenas 13% recebeu duas doses, que garantem total eficácia prevista do imunizante contra casos de coronavírus. Por ora, esse número está restrito, em sua maior parte, a grupos específicos, já que a vacinação por faixa etária retornou no começo deste mês.

Vale ressaltar que, conforme o PNI (Plano Nacional de Imunizações), a aquisição de mais doses é de responsabilidade do governo federal - portanto, pelo 3º dia consecutivo, Campo Grande não aplica vacinas porque as doses estão em falta.

Doses aplicadas diariamente no último mês em MS; média caiu drasticamente por conta da falta de imunizantes (Foto: Reprodução/Painel Mais Saúde)
Doses aplicadas diariamente no último mês em MS; média caiu drasticamente por conta da falta de imunizantes (Foto: Reprodução/Painel Mais Saúde)

A situação hospitalar continua crítica, já que a média estadual de ocupação de leitos de terapia intensiva vinculados ao SUS (Sistema Único de Saúde) é de 104% - ou seja, não há vagas disponíveis e há excedente de pacientes sendo tratados acima da capacidade oficial.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário