ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Desconhecimento ainda ameaça direitos previstos no ECA há 29 anos

Descriminalização do trabalho infantil e redução da maioridade penal são pautas dos que querem alterar o estatuto

Jones Mário | 13/07/2019 13:03
ECA garante desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social às crianças e jovens brasileiros (Foto: Saul Schramm/Arquivo)
ECA garante desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social às crianças e jovens brasileiros (Foto: Saul Schramm/Arquivo)

O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) faz 29 anos neste sábado, mas os esforços para protegê-lo mesmo após quase três décadas de vigência seguem necessários. Para quem atua na garantia dos direitos fixados pela lei, o desconhecimento do texto que assegura desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social às crianças e jovens brasileiros ainda é uma constante ameaça.

No início do mês, o próprio presidente Jair Bolsonaro fez declarações que vão na contramão do que diz o ECA. Ao comentar durante uma “live” que trabalhou na roça quando criança, disse que não foi “prejudicado”. “Trabalho não atrapalha a vida de ninguém”, continuou. Porém, Bolsonaro revelou que não se mobilizaria para descriminalizar o trabalho infantil, porque seria “massacrado”.

Coordenadora do Nudeca (Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul), a defensora Débora Maria de Souza Paulino classificou o comentário como infeliz. Ela crê que os ataques contra o ECA são frutos de ignorância sobre o que diz o texto.

“As pessoas comentam por não conheceram o que traz a lei. Quando começam a estudar e conhecer o porquê dessas garantias, elas mudam de opinião. Infelizmente a gente ainda luta contra isso. A gente precisa refletir, parar, ter paciência para ler o ECA. Tem gente que diz que o ECA não deixa educar as crianças. Não é nada disso. Ele veio para trazer as garantias, proteção, auxílio à saúde, prioridade de atendimento”, detalha.

Conforme dados do relatório da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) “30 Anos de SUS - Que SUS para 2030?”, o Brasil melhorou os índices de mortalidade infantil desde a promulgação do ECA, com a ampliação do acesso à assistência ambulatorial na rede pública de saúde. O País também reduziu mais da metade de óbitos de crianças menores de 5 anos, por causas evitáveis, passando de 70.572 casos em 1996 para 29.126 em 2016 – queda de 59% no período.

“É a criança pobre que vai deixar de frequentar escola para trabalhar. Não vão ser todas. Uma criança com condição financeira não vai trabalhar, vai ter acesso à escola. A infância deve ser construída de forma saudável. A discussão sobre trabalho infantil tem que ser superada. Lugar de criança é na escola, com a família, em ambiente de amor, dedicação”, reforça a defensora pública.

Números do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), do Ministério da Saúde, mostram que o Brasil registrou 44 mil acidentes de trabalho com crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos, de 2007 a 2018. Nesse mesmo período, 261 meninas e meninos morreram trabalhando.

Maioridade penal - A redução da maioridade penal, instituída em 18 anos pelo ECA, é mais um ponto da lei constantemente ameaçado. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 115/2015, que visa diminuir o corte para 16 anos em casos de crimes hediondos, homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte, tramita no Congresso Nacional desde 1993.

“A gente já debateu bastante e entende que o Brasil não tem estrutura para alterar essa questão. As unidades de internação não são adequadas, o sistema prisional é extremamente precário. Todas as Defensorias do Brasil e o sistema de Justiça como um todo são contra a redução”, defende Débora Maria.

A defensora cita ainda a existência de tratados internacionais que atestam a formação biológica e da personalidade de adolescentes estão em processo antes dos 18 anos. “Além disso, o índice de envolvimento de adolescentes em crimes de natureza grave é baixíssimo. Reduzir a maioridade penal não vai resolver a questão da criminalidade”.

Unei Dom Bosco abriga adolescentes em conflitos com a lei em Campo Grande (Foto: Paulo Francis)
Unei Dom Bosco abriga adolescentes em conflitos com a lei em Campo Grande (Foto: Paulo Francis)

Em MS – A atuação local do Nudeca envolve as áreas cível e infracional. Na primeira, o grupo trabalha no resgate, acolhimento e acompanhamento de crianças e adolescentes em situação de risco, e também no encaminhamento destes jovens para a adoção.

Na área infracional, a principal frente de atuação envolve o acompanhamento dos casos de adolescentes em conflito com a lei e o cumprimento das medidas socioeducativas impostas.

Em maio deste ano, a Vara da Infância, Adolescência e do Idoso de Campo Grande afastou sete agentes da Unei Dom Bosco (Unidade Educacional de Internação), incluindo o diretor-adjunto. Na denúncia, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) narra “fatos criminosos considerados gravíssimos”, que envolvem agressões com cassetete e spray de pimenta.

“A Defensoria vem atuando de forma bastante enérgica quanto a isso, mas somos muito dependentes do Judiciário. Nós acionamos o MNPCT (Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura), que fez a visita, mas a gente precisa tanto do Judiciário quanto do setor público para combater isso”, discorre Débora Maria.

“Temos um estatuto que é modelo mundial, mas ainda falta muito para cumprir o que está escrito”, finaliza a coordenadora do Nudeca.

Nos siga no Google Notícias