ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Em cinco meses, casos de mortalidade materna crescem em MS

Estado registra 14 mortes durante a gravidez e o período puerperal em 2023; número chegou a 23 em todo 2022

Gustavo Bonotto | 30/05/2023 21:55
Recém-nascido em maternidade. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Recém-nascido em maternidade. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Dados do 1ª Simpósio Estadual de Prevenção do Óbito Materno e Infantil apontam que Mato Grosso do Sul já atingiu, em cinco meses, 14 mortes durante a gravidez e o período puerperal. Em relação ao ano anterior, o IFF Friocruz (Instituto Fernandes Figueira) estima que 23 casos foram registrados em todo o Estado. No âmbito nacional, o levantamento aponta que 8.330 mulheres perdem a vida por dia.

O evento, que aconteceu nesta terça-feira (30), em Campo Grande, debateu o tema. A diretora-geral da Vigilância da Saúde, Dra. Hilda Guimarães de Freitas, afirma que é preciso que seja firmado um compromisso para que tenhamos a redução de óbitos.

"Precisamos, então, fazer mais por esta caminhada, gestores (prefeitos), secretarias, técnicos e colaboradores (profissionais de saúde) assumam este compromisso da redução da mortalidade infantil em Mato Grosso do Sul", disse.

A enfermeira da IFF Fiocruz, Evelyn Rios Sona, reforçou que as taxas de mortalidade materna e de mortalidade infantil são indicadores de vida da população, o que evidencia a desigualdade social de um País. "É número que nos deixa bastante estarrecido, e se calculado, significaria cinco aviões caindo só com mulheres brasileiras por ano", alertou.

O presidente do Coren-MS, Dr. Sebastião Duarte, apontou que a prevalência da mortalidade materna se arrasta ao longo de anos.

"Nós avançamos tanto na saúde na questão de tecnologias, porém, persistimos com um problema antigo, a morte de gestantes e puérperas. O que me causa indignação são as causas que poderiam ser evitadas, e são as mais frequentes. Se trata da perda da mãe, principal personagem na família. Não se trata de números", afirmou o Dr. Sebastião.

Reunião aconteceu nesta terça-feira (30), em Campo Grande. (Foto: Reprodução/Coren-MS)
Reunião aconteceu nesta terça-feira (30), em Campo Grande. (Foto: Reprodução/Coren-MS)

Nos siga no Google Notícias