ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 30º

Cidades

Em MS, 337 crianças não foram registradas em 2022

No entanto, o número de crianças sem registros caiu de 0,98% em 2021 para 0,83% em 2022

Por Izabela Cavalcanti | 12/04/2024 11:54
Certidão de Nascimento emitida em papel timbrado (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
Certidão de Nascimento emitida em papel timbrado (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Em Mato Grosso do Sul, dos 40.647 sul-mato-grossenses nascidos em 2022, 337 não foram registrados no período legal estipulado – até março do ano seguinte. Os dados fazem parte “Estatísticas do Registro Civil”, exportados do último Censo, em 2022, divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O número de crianças sem registros caiu de 0,98% em 2021 para 0,83% em 2022, sendo o menor índice registrado desde o início da série histórica em 2015. Se comparar com aquela época, a quantidade de crianças sem registro no Estado era estimada em 1,1 mil recém-nascidos.

Na região Centro-Oeste, o Distrito Federal possui o menor índice, com 0,27%; seguido por Mato Grosso do Sul com 0,83%; Goiás com 1,42% e Mato Grosso com 1,71%.

O presidente da Arpen/MS (Associação dos Registradores Civis de Pessoas Naturais de Mato Grosso do Sul), Marcus Vinícius Machado Roza, destaca a importância de ter o documento.

“O registro civil é o reconhecimento da cidadania, é o primeiro passo para que a pessoa consiga solicitar documentos importantes e indispensáveis ao longo da vida. Ter seu registro de nascimento é forma de garantir acesso a direitos sociais e concretizar a promoção de inclusão social. E os cartórios são parte imprescindível nessa engrenagem”, pontuou.

A região Sul é a que tem o menor índice de sub-registro, 0,21%; em seguida está o Sudeste, 0,35%; Centro-Oeste, 1,21%; Nordeste, 1,66%, e Norte, 5,11%.

Em relação aos estados, o Paraná é aquele que possui o melhor índice de registro de nascimento, com apenas 0,17% das crianças sem registro de nascimento. Roraima tem o maior percentual de sub-registro do país, 14,2%.

Registro - Todo nascimento deve ser registrado no prazo de 15 dias, podendo ser ampliado em até três meses, no caso de localidades distantes mais de 30 quilômetros da sede do cartório. O registro civil de nascimento deve ser feito na localidade onde a pessoa nasceu ou na de residência dos genitores (pai, mãe) ou responsável legal. Fora do prazo legal, é feito no cartório da circunscrição da residência do interessado.

O registro de nascimento é essencial para que a criança exista perante o Estado, possa ser matriculada em creches e escolas, tenha acesso à saúde, e tenha reconhecido seu nome, sobrenome, filiação e naturalidade.

É também o documento base para a emissão de todos os demais, como RG, título de eleitor e passaporte. Desde 2015, o CPF também é emitido gratuitamente pelos Cartórios no ato de registro de nascimento.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias