ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

Funcionário de empresa arrumou mala e comprou até capinha de celular para Neves

Willian Neves fazia conserto de caminhonete, organizava pescarias e até comprava frutas para conselheiro

Lucia Morel | 09/12/2022 19:10
Conselheiro do TCE/MS afastado, Waldir Neves. (Foto: Divulgação TCE/MS)
Conselheiro do TCE/MS afastado, Waldir Neves. (Foto: Divulgação TCE/MS)

Investigação da Polícia Federal na segunda fase da Operação Mineração de Ouro, a Terceirização de Ouro, deflagrada ontem e cujos alvos incluem três conselheiros do TCE/MS (Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul), identificou que um dos assessores do conselheiro Waldir Neves, o advogado Willian Das Neves Barbosa Yoshimoto, era funcionário da Dataeasy Consultoria e Informática Ltda.

A empresa foi a principal beneficiada em suposto esquema de fraude em licitação e já recebeu R$ 102,1 milhões do TCE/MS entre janeiro de 2018 e março deste ano, conforme dados do Portal da Transparência do órgão.

Pelos dados da medida cautelar que autorizou a operação, pessoas relacionadas a Neves faziam parte do quadro de funcionários da Dataeasy, entre eles Willian, que era “contratado para a função de administrador de redes e sistemas computacionais, o que ensejou o deferimento de medidas de busca e apreensão em relação a ambos”.

A autorização assinada pelo ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), Francisco Falcão, relator do caso, mostra que produtos das apreensões feitas na primeira fase da operação, em junho do ano passado, angariaram “elementos informativos indicativos de que Conselheiro Waldir Neves Barbosa utiliza funcionários contratados pela empresa Dataeasy Consultoria E Informática Ltda para resolução de questões pessoais, sem qualquer relação com os serviços contratados e remunerados pelo Tribunal”.

Entre esses serviços estão enumerados: “conserto de caminhonete, organização de pescarias, obtenção de licença junto aos órgãos ambientais, serviço de motorista, preparação de viagens, aquisição de frutas e legumes, aquisição de “capinha de celular”, realização de pagamentos, aquisição de aparelhos de som, realização de contato com gerente de instituição bancária, aquisição de passagens aéreas, intermediação de venda de imóveis rurais, aquisição de cestas de café da manhã, aquisição de remédios manipulados, venda de pousada, e até arrumação de mala”.

Com isso, investigadores avaliam que Willian é pessoa de extrema confiança de Waldir Neves e atua como secretário dele. “Portanto, evidencia-se que Willian, contratado pela Dataeasy, atua, em verdade, como um assessor de Waldir Neves em questões particulares, configurando, em tese, um desvio ao objeto do contrato firmado entre a Dataeasy e o TCE/MS”.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também