ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 25º

Cidades

Gestora de contratos recebeu propina no estacionamento da Secretaria de Educação

Pagamento foi feito em espécie no Parque dos Poderes, aponta investigação do Gaeco e Gecoc

Por Gustavo Bonotto | 29/11/2023 20:36
Fachada da SED (Secretaria Estadual de Educação), no Parque dos Poderes. (Foto: Reprodução/Google Street View)
Fachada da SED (Secretaria Estadual de Educação), no Parque dos Poderes. (Foto: Reprodução/Google Street View)

A investigação que resultou na prisão de oito pessoas em operação deflagrada na manhã nesta quarta-feira (29), em Campo Grande, apontou que a servidora estadual Andréa Cristina Souza Lima recebeu propina em espécie, relacionada a formalização de contratos superfaturados para fornecimento de ares-condicionados, no estacionamento da SED (Secretaria Estadual de Educação).

Os equipamentos de climatização de 18 mil Btus foram disponibilizados pela empresa Comercial Isototal Eireli, dos irmãos Lucas Andrade Coutinho e Sérgio Duarte Coutinho Júnior, presos nesta quarta.

A reportagem teve acesso a parte dos autos que tramitam em segredo de Justiça em que a quantia supostamente recebida pela servidora não foi revelada.

Andréa ocupava em 2022, época do suposto superfaturamento, o cargo de direção especial e assessoramento cuja remuneração fixa chega a R$ 9.349,99. Em 1º de janeiro, seu salário saltou para R$ 11.793,20, quando passou a ocupar o cargo de direção gerencial superior (CCA-07) na pasta da Educação, conforme divulgado no Portal da Transparência do Governo de Mato Grosso do Sul.

Além dela, para beneficiar os empresários, o secretário adjunto de Educação, Édio Antônio Resende de Castro Bloch, também teria recebido vantagem em dinheiro. Neste caso, o pagamento foi feito à empresa gráfica LGS Garcia Leal, que pertence ao servidor, segundo as apurações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e Gecoc (Grupo Especial de Combate à Corrupção).

"O pagamento à gráfica foi feito com auxílio do investigado Victor Leite de Andrade, primo de Sérgio e Lucas e gerente do posto de combustíveis Posto América II, que também pertence aos irmãos", diz o relatório. No total, a organização desviou pelo menos R$ 68 milhões dos cofres estaduais.

Integrantes do Gecoc chegando em endereço de busca e apreensão no Jardim Paulista. (Foto: Viviane Oliveira)
Integrantes do Gecoc chegando em endereço de busca e apreensão no Jardim Paulista. (Foto: Viviane Oliveira)

Entenda o caso - Na manhã de hoje, empresas foram de mandados de alvo de busca e apreensão por contratos firmados com o Governo do Estado até 2022. O Gecoc esteve nas ruas, em operação conjunta com o Gaeco.

Pelo menos três empresas estão sob suspeita, a Maiorca Soluções em Saúde, de propriedade de Sérgio Coutinho Júnior, e a Comercial Isototal Ltda, que tem como dono Lucas Coutinho, conforme dados abertos divulgados no site da Receita Federal, e a Isomed Diagnósticos.

As apurações começaram durante a Operação Parasita, deflagrada no dia 7 de dezembro de 2022. “Dados extraídos dos aparelhos celulares dos investigados Lucas de Andrade Coutinho e Sérgio Duarte Coutinho Júnior, apreendidos por ocasião” direcionaram a atenção do Gaeco e Gecoc para as contratações das empresas da dupla pela administração estadual, conforme trecho da decisão do juiz Eduardo Eugênio Siravegna Junior, que autorizou as prisões e buscas.

Ainda conforme divulgado nesta manhã pelo MP, “Turn Off” faz referência ao "primeiro grande esquema descoberto nas investigações, relativo à aquisição de aparelhos de ar-condicionado e decorre da ideia de ‘desligar’ (fazer cessar) as atividades ilícitas da organização criminosa investigada”.

Receba as principais notícias pelo celular. Clique aqui para entrar no canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias