ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  03    CAMPO GRANDE 20º

Cidades

Hospital nega que encaminhou paciente a tratamento precoce com médico polêmico

Foto de ambulância na fachada de consultório foi parar em processo para despejo do médico de condomínio

Por Lucia Morel | 24/06/2021 15:59
Hospital de pequeno porte, mantém 60 leitos. (Foto: Divulgação Associação Beneficente)
Hospital de pequeno porte, mantém 60 leitos. (Foto: Divulgação Associação Beneficente)

Querendo desvincular a imagem do Hospital Soriano Corrêa da Silva de possível encaminhamento de paciente para consulta com o médico João Jackson Duarte, a entidade que mantém a unidade hospitalar, a Associação Beneficente de Maracaju, procurou o Campo Grande News para explicar a presença de ambulância da instituição em frente ao Edifício Evidence Prime, no Royal Park, em Campo Grande.

O veículo foi flagrado por usuários do condomínio e a foto acabou anexada em processo judicial movido pela administração do edifício contra o médico. A reportagem divulgou a imagem em matéria que relatava o pedido da Vigilância Sanitária municipal para que o cardiologista encerrasse os atendimentos de pacientes com covid-19 no condomínio, onde há grande circulação de pessoas.

 Superintendente do hospital, Paulo César Chagas Ferreira, explica que o paciente encaminhado quando a foto foi tirada era uma criança de 2 anos de idade que mantém consulta mensal com médica neuropediatra que tem consultório no edifício. A ambulância da unidade hospitalar fez o transporte dela de Maracaju a Campo Grande na data em que a imagem foi fotografada.

O paciente encaminhado quando a foto foi tirada era uma criança de 2 anos de idade para consulta com neuropediatra. (Foto: Processo judicial)
O paciente encaminhado quando a foto foi tirada era uma criança de 2 anos de idade para consulta com neuropediatra. (Foto: Processo judicial)

“Ficou associado como se estivéssemos levando pacientes para o médico em questão, mas não foi isso”, disse, ao sustentar que no caso específico da criança, a consulta é feita na Capital porque em Maracaju não há a especialidade buscada. Ele citou ainda, que seja particular – por ser associação – ou via SUS – em parceria com o município – a ambulância do hospital pode fazer transporte de pacientes.

O hospital tem 74 anos e mantém 60 leitos com especialidades de clínica médica, clínica cirúrgica, ginecologia e obstetrícia, pediatria e ortopedia. É uma unidade de pequeno porte que atende Maracaju e cidades vizinhas como Nioaque e Rio Brilhante. Faz ainda atendimentos de alta complexidade em casos de urgência e emergência, mas geralmente com encaminhamento ao Hospital Regional ou Santa Casa, em Campo Grande.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário