ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, TERÇA  03    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Médico é obrigado a encerrar atendimentos de pacientes com covid em condomínio

Conhecido por aplicar polêmico tratamento precoce contra a covid, profissional se nega a cumprir determinações

Por Lucia Morel | 21/06/2021 16:06
Câmeras de segurança do condomínio mostram médico circulando sem máscara em corredor próximo a seu consultório. (Foto: Processo judicial)
Câmeras de segurança do condomínio mostram médico circulando sem máscara em corredor próximo a seu consultório. (Foto: Processo judicial)

Obrigado a parar de atender pacientes com covid-19 em seu consultório, localizado no Edifício Evidence Prime, no Royal Park, em Campo Grande, o médico cardiologista João Jackson Duarte, acionou a Justiça contra a Vigilância Sanitária municipal.

O médico é conhecido por atuar na aplicação do chamado tratamento precoce contra a covid-19, tendo atendido diversos políticos e outras autoridades campo-grandenses.

Em maio, a administração do condomínio impetrou ação contra o médico, justificando que ele não seguia os protocolos de biossegurança e ignorava os pedidos de segui-los, feitos pelos demais condôminos. Houve, inclusive, acusação sobre ele circular sem máscara pelas dependências, mesmo depois de ter diagnóstico positivo para covid.

Em assembleia, outras pessoas que mantem salas comerciais no local decidiram que o médico deveria ser notificado e multado em caso de descumprimento das medidas, além de parar de receber pacientes com covid-19 no local. Nada surtiu efeito.

Em alegações, outros condôminos justificam que começou a haver presença constante de ambulâncias em frente ao local com pacientes infectados que eram levados diretamente à sala de João Jackson, colocando em risco os demais. A petição do condomínio cita que João estaria usando as dependências como hospital.

Ambulância de Maracaju em frente a condomínio. (Foto: Processo judicial)
Ambulância de Maracaju em frente a condomínio. (Foto: Processo judicial)

Além disso, também houve reclamação de perdas financeiras, já que, com medo, clientes de outros empresários desistiam dos serviços prestados diante da repercussão dos atendimentos a pessoas com a doença no local.

Novamente, nada surtiu efeito e então, o condomínio entrou com ação na Justiça, que tentou definir audiência de conciliação, sem sucesso. O médico ou sua defesa, pelo que apurou a reportagem no andamento do processo, não apresentaram nenhuma resposta ou posicionamento até agora.

Outra ação – Mesmo sem resposta à demanda do condomínio onde mantém duas salas – uma para atendimentos cardiológicos e outra para pacientes com covid-19 – o médico acionou a Justiça para defender seu espaço de trabalho diante de notificação da Vigilância Sanitária que, em 8 de junho, também pediu que ele encerrasse os atendimentos contra a doença no local sob risco de interdição.

Aviso em elevador indicava ser de uso exclusivo para pacientes do médico. (Foto: Processo judicial)
Aviso em elevador indicava ser de uso exclusivo para pacientes do médico. (Foto: Processo judicial)

Outro lado - A defesa alegou que as medidas de biossegurança são seguidas e que até mesmo elevador exclusivo para os pacientes havia sido criado, mas depois cancelado pelo condomínio. Na petição contra a Vigilância, o médico sustenta que é o local que precisa dar condições adequadas de biossegurança aos usuários.

Em contrapartida, na ação que o residencial move contra João, a explicação é de que o elevador específico para a sala do médico foi desativado porque assembleia definiu que ele deveria parar de receber pacientes com a doença ali.

Em relação à notificação da Vigilância, que determinou encerramento das atividades do consultório a partir de 15 de junho, houve prorrogação para 5 de julho. A defesa do médico sustenta que é impossível cumprir a medida, seja pela curto prazo dado para a mudança, seja pela inviabilização do livre exercício da medicina.

O médico já apareceu em investigação do MPF (Ministério Público Federal) durante a Operação Sanguessuga, em que teria, junto com o também cardiologista José Carlos Dorsa, já falecido, fraudado documento de paciente que morreu após cirurgia cardíaca.

A reportagem tentou contato, via celular, com o médico, mas não foi atendida.

Em nota, a Associação Beneficiente de Maracaju, responsável pelo Hospital Soriano Corrêa da Silva, que transportou um paciente de 2 anos de idade com encefalopatia epilética com epilepsia refratária para consulta em neuropediatria com uma médica que possui consultório no mesmo local. Diz ainda que nenhum paciente do hospital faz tratamento com o médico na citado na reportagem.

*Matéria editada às 23h para acréscimo de informação

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário