ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUARTA  28    CAMPO GRANDE 12º

Cidades

“Mais Social” vai investir R$ 182 milhões para alimentar 100 mil famílias

Projeto vai tramitar em regime de urgência na Assembleia e absorver o Vale Renda

Por Aline dos Santos | 30/03/2021 11:52
Governador Reinaldo Azambuja (à esquerda) e Paulo Corrêa em reunião virtual com deputados. (Foto: Chico Ribeiro)
Governador Reinaldo Azambuja (à esquerda) e Paulo Corrêa em reunião virtual com deputados. (Foto: Chico Ribeiro)

Criado para amparar até 100 mil famílias pobres em Mato Grosso do Sul, o programa “Mais Social” terá investimento anual de R$ 182 milhões, vai absorver o público do Vale Renda e o projeto tramitará em regime de urgência na Assembleia Legislativa.

O programa de segurança alimentar começou a ser planejado após o fim do auxilio emergencial, custeado pelo governo federal para ajudar quem perdeu renda na pandemia de coronavírus.

Nesta terça-feira (dia 30), o programa, que vai pagar R$ 200 por mês, foi detalhado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) ao presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa (PSDB), e aos deputados estaduais. A reunião foi virtual.

A expectativa é de tramitação célere na Casa de Leis. Segundo o presidente da Assembleia, a proposta será pautada na CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação Final) amanhã (dia 31). Na sequência, acontece a votação em duas etapas.

“Um programa desse tipo tem urgência para ser implantado no Estado e vamos dar todo o suporte necessário. A Assembleia não vai faltar ao povo de Mato Grosso do Sul", destacou Paulo Corrêa.

Regras - Dentre os critérios para a inclusão no programa, estão ter renda familiar de meio salário mínimo e crianças matriculadas e com frequência regular na escola. Famílias com idosos terão prioridade. A seleção dos beneficiários será com base no CadÚnico  (Cadastro Único).

A titular da Sedhast (Secretaria Estadual de Assistência Social e Trabalho), Elisa Cleia Nobre, explicou que as equipes irão até as famílias em situação de vulnerabilidade social.

 "A família não precisa de deslocar a nenhum endereço porque nossas equipes irão às casas delas. Será uma busca ativa. Nossas equipes visitarão os endereços que já estão no Cadastro Único, do governo federal, para verificar a real situação dessa família", afirmou ao site de notícias do governo.

As famílias atendidas receberão cartões exclusivos, cada um com valor de R$ 200 por mês, para compra de alimentos e produtos de higiene pessoal. Ficam proibidas a compra de bebidas alcoólicas e produtos à base de tabaco, sob pena de exclusão.

Vale Renda –  “O Vale Renda paga hoje R$ 180 para praticamente 30 mil famílias nos 79 municípios. O Mais Social vai cobrir 100 mil famílias. Estamos com recursos previstos e planejados para essa ampliação e teremos um prazo para as famílias migrarem de programa", diz o governador.

Azambuja afirma que as 30 mil famílias atendidas no Vale Renda serão gradativamente transferidas para o Mais Social

“Não existe só uma crise sanitária. Há também uma crise econômica. E estamos trabalhando não só para proteger vidas, mas para diminuir o impacto social desta doença na vida das pessoas”, afirma o secretário Eduardo Riedel, que participou do planejamento do programa social e comanda a Seinfra (Secretaria Estadual de Infraestrutura).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário