ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Motoristas de aplicativo lotam Assembleia para reclamar de regulamentação

Mesmo não concordando com o projeto de lei em tramitação, motoristas reconhecem a precarização do trabalho

Por Kamila Alcântara e Mylena Fraiha | 29/05/2024 17:47
Trabalhar com camiseta contra a PL 12/2024 durante audiência pública na Alems (Foto: Paulo Francis)
Trabalhar com camiseta contra a PL 12/2024 durante audiência pública na Alems (Foto: Paulo Francis)

Os motoristas de aplicativo de Campo Grande lotaram a Assembleia Legislativa na tarde desta quarta-feira para mostrar que rejeitam o Projeto de Lei Complementar 12/2024, que regulamenta o transporte de passageiros no Brasil. A categoria participou da audiência pública convocada pelo deputado Paulo Duarte (PSB), para debater proposta nacional de regulamentação.

"É importantíssimo esse debate, em um momento sem demagogia, com soluções reais para a categoria. Precisamos entender os dilemas dos trabalhadores, enxergamos as dificuldades. Estamos do mesmo lado, sabendo a importância da pauta e sensibilidade da causa. Valorizamos que o deputado veio aqui, no Mato Grosso do Sul, para encarar e ouvir as demandas", comenta Paulo Duarte.

Deputado Paulo Duarte resolveu convocar audiência para ouvir motoristas. 
Deputado Paulo Duarte resolveu convocar audiência para ouvir motoristas.

O projeto cria a categoria "trabalhador autônomo por plataforma" e define essa relação de serviço como "intermediada" pelas empresas de aplicativo. A proposta estabelece uma carga máxima de 12 horas diárias, contribuição ao INSS (por parte dos trabalhadores e das empresas) e uma remuneração mínima de R$ 32,10 por hora de transporte.

A categoria não concorda com possíveis encargos financeiros no trabalho e alega que não é ouvida, já que a ideia copia modelo que já está sendo usado na Califórnia (EUA), e que, na opinião dos motoristas, beneficia apenas a plataforma.

Fuad Salamene Neto, representante da Frente dos Motoristas de Aplicativo de Mato Grosso do Sul diz que, casos o projeto seja aprovado, será a extinção dos trabalhadores.

Motoristas de aplicativos lotam a audiência (Foto: Paulo Francis)
Motoristas de aplicativos lotam a audiência (Foto: Paulo Francis)

“Essa PL é a extinção do motorista de aplicativo. Nós não somos a favor porque ela não foi construída pelo motorista, ela foi construída pela plataforma e pelo Governo Federal, eles não nos representam”, alega Fuad.

Eles reclamam que apenas é contado como tempo de trabalho o período em que o motorista aceita uma viagem até a chegada do passageiro ao destino. As horas em que o trabalhador está logado e à disposição da plataforma não é contabilizado.

O PLP 12/2024 aplica-se exclusivamente aos motoristas de aplicativos que trabalham com carros, excluindo motos e demais veículos de duas rodas. Com essa proposta, o governo inaugurou uma nova categoria, conhecida como "trabalhador autônomo por plataforma".

Deputado federal Augusto Coutinho (Republicanos-PE), relator da proposta (Foto: Paulo Francis)
Deputado federal Augusto Coutinho (Republicanos-PE), relator da proposta (Foto: Paulo Francis)

O deputado federal Beto Pereira (PSDB) também participou e levou para o debate o deputado federal Augusto Coutinho (Republicanos-PE), relator da proposta no Congresso.

"Esse debate é fundamental acontecer em Campo Grande e agradecemos a participação expressiva de associações e usuários. Não aceitamos nenhuma proposta que inviabilize o serviço. Nós não queremos nenhuma proposta que gere insegurança ou precarize. É essencial estabelecermos uma relação clara e transparente com as plataformas, pois não vem prevalecendo nenhum interesse dos motoristas. Ao equilibrarmos essa relação, acredito que a Câmara Federal pode atuar como mediador para promover uma interação positiva entre os motoristas e as plataformas", avaliou o tucano.

 De acordo com o deputado Augusto Coutinho, a matéria entrará em votação no final deste semestre na Câmara Federal, em Brasília, provavelmente no dia 15 de julho. Mas garantiu que os parlamentares continuarão ouvindo o que os motoristas têm a dizer sobre o PL.

“A intenção é protegê-los em uma relação obscura que existe hoje entre as plataformas e os motoristas. As operadoras precisam ser claras no que diz respeito ao percentual de corrida. Os motoristas não serão obrigados a se sindicalizar, mas as discussões serão mediadas por sindicatos. Hoje existem profissionais que só trabalham com isso, por isso precisam ter a garantia de segurança na velhice”, disse o deputado.

Miguel diz que roda de oito a 16 horas por dia para conseguir pagar os custos.
Miguel diz que roda de oito a 16 horas por dia para conseguir pagar os custos.

Miguel Echeverria, de 22 anos, é motorista e também não concorda com o que está sendo proposto agora, mas reconhece a precarização do trabalho e acredita que o assunto precisa ser melhor conversado. Ele expõe que não é justo exercer a função como autônomo, por MEI (Microempreendedor individual), já que dedicam horas de trabalho apenas para uma empresa.

“Rodamos de oito a 16 horas por dia para conseguir pagar os custos. A gente não tem saúde mental, não tem saúde física, a gente fica cansado o tempo todo, não tem momento com a família. Trazer a gente para um lugar de autônomo é inviável, porque a gente não é autônomo. nós somos funcionário da Uber”, defende o jovem.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias