ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

MS pode perder ainda mais vidas por falta de medicamentos

Instituições médicas do Estado já alertaram autoridades em saúde; pacientes podem vir a óbito mais facilmente

Guilherme Correia | 26/03/2021 10:10
Vítima da covid-19 é atendida em leito de terapia intensiva no Hospital Regional (Foto: Saul Scharmm/Governo estadual)
Vítima da covid-19 é atendida em leito de terapia intensiva no Hospital Regional (Foto: Saul Scharmm/Governo estadual)

Instituições médicas de Campo Grande alertam para os perigos da falta de insumos para intubação e sedação de pacientes com covid-19, fator que deve acarretar em maior número de vidas perdidas e pessoas em condições muito piores de saúde.

A preocupação por parte das instituições hospitalares é de que mais pessoas morram em decorrência dessa déficit. Em publicação oficial do Coren (Conselho Regional de Enfermagem), a enfermeira Suzi Strapason ressalta a importância nos sedativos para controlar a dor e garantir maior chance de vida ao paciente.

"Também ajuda no controle da dor, angústia, agitação e consequentemente evita a perda de dispositivos, incluindo a extubação acidental antes do paciente apresentar melhora infecção pulmonar", diz a profissional em nota feita pelo órgão.

De acordo com boletim epidemiológico mais recente, divulgado ontem (25), a macrorregião de Campo Grande - que engloba municípios próximos e respectivos leitos de terapia intensiva  - tem taxa de ocupação de 103%. Ou seja, não há estrutura hospitalar adequada para casos graves de covid-19 e de outros agravos de saúde.

As chances de sobrevida ficam muito reduzidas e ele pode vir a óbito sem os medicamentos”

Além disso, o excedente (3%) é justificado por pacientes ocupando instalações médicas inadequadas e improvisadas.

Falta de insumos - Alguns dos principais hospitais da Capital já informaram sobre esse fenômeno. Por meio de nota, a Santa Casa de Campo Grande, o Hospital El Kadri e o Hospital Cassems comunicaram que isso deve acontecer em breve.

O texto também diz que os apelos feitos a autoridades de saúde não têm feito diferença, e que "nenhuma solução palpável se apresenta a curto prazo". Entre fatores envolvidos para isso estão preços abusivos dos produtos e dificuldades relacionadas ao fornecimento feito pelos produtores.

Nos siga no Google Notícias