ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 38º

Cidades

MS tem segunda maior taxa de feminicídio do Brasil, aponta relatório

Levantamento também apontou que Estado tem maior proporção de estupros do País

Por Adriel Mattos | 17/07/2021 12:49
Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, em Campo Grande. (Foto: Jhefferson Gamarra/Arquivo)
Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, em Campo Grande. (Foto: Jhefferson Gamarra/Arquivo)

Mato Grosso do Sul tem a segunda maior taxa de feminicídio de todo o Brasil, empatado com Roraima. Segundo o Anuário de Segurança Pública, do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), os dois estados registraram 3 crimes a cada 100 mil habitantes.

Outro dado que assusta é o de homicídios de mulheres, quando o registro policial não classifica como femincídio, crime previsto desde 2015 que prevê pena maior para quem comete assassinato de mulheres na condição de cônjuge ou companheiro ou por menosprezo à vítima.

No ano passado, foram registrados 43 municípios, aumento de 41,3% se comparado com 2019. Foram registrados em 2020 111 homicídios de mulheres em 2020, 4,5% a mais que o ano anterior, que teve 105 casos.

Por outro lado, as tentativas de feminicídio e de assassinatos de mulheres apresentaram redução no período. Em 2019, foram 267 tentativas de homicídio e 84 tentativas de feminicídio, contra 222 tentativas de homicídio e 54 tentativas de feminicídio em 2020.

Os casos de violência doméstica também registram queda. Dos 5.111 registrados em 2019, o número caiu para 4.778 no ano passado. Ameaças diminuíram de 17.063 em 2019 para 14.865 em 2020.

Assédio e estupro - Em números absolutos, os registros de estupro também apresentaram queda. Dos 751 casos denunciados em 2019, foram notificados 320 em 2020, o que representa redução de 57,9%.

Assédio sexual teve uma queda menor, de 50 casos em 2019 para 31 em 2020, assim como importunação sexual, de 462 registros em 2019 para 382 no ano passado.


Apesar da redução, o Estado tem a maior taxa de estupro e estupro de vulnerável de todo o País, com 68,9 casos a cada 100 mil habitantes.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário