A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

20/06/2019 18:28

Pedido de PM apontado como líder de quadrilha para paralisar ação é negado

Defesa do subtenente Silvio Molina tentava se reunir com cliente sem monitoramento imposto em presídio federal

Humberto Marques
Subtenente está preso em Mossoró; advogados tentavam reuniões reservadas para tratar da instrução da ação contra suspeito de comandar esquema de tráfico. (Foto: Reprodução)Subtenente está preso em Mossoró; advogados tentavam reuniões reservadas para tratar da instrução da ação contra suspeito de comandar esquema de tráfico. (Foto: Reprodução)

Apontado como líder de uma organização criminosa especializada no tráfico de drogas a partir da região sul do Estado, o subtenente da Polícia Militar Silvio Cesar Molina de Azevedo teve negado pedido para paralisação de ação da Operação Laços de Família –que investiga o esquema– até que possa se reunir com seus advogados sem que haja monitoramento no presídio federal de Mossoró (RN), onde ele está detido.

O pedido foi analisado pelo desembargador federal Maurício Kato, do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) às vésperas do início da instrução do processo, marcada para segunda-feira (24).

A defesa de Molina alegou que ele está preso há mais de um ano sem que a instrução processual tenha iniciado e aponta “violação à dignidade profissional” do advogado, que estaria impedido de atuar junto ao cliente com liberdade, diante da escutas e monitoramento, com gravação, de diálogos tratados dentro do presídio federal.

A apelação ao TRF-3 ocorreu depois de o juiz Bruno Teixeira, da 3ª Vara Federal de Campo Grande, ter rejeitado o pedido original, apontando ser uma questão administrativa dentro do regime prisional federal –que precisaria ser analisada pelo juiz corregedor da penitenciária potiguar. Os advogados solicitaram a suspensão da ação penal até que possam exercer o direito de defesa, contatando Molina de forma “reservada e sigilosamente”.

Kato descartou constrangimento ilegal e considerou que a decisão de primeira instância está “devidamente fundamentava”.

Laços de Família – A investigação contra Silvio Molina e seus familiares foi deflagrada em 25 de junho de 2018. O subtenente foi acusado de liderar um grupo que mantinha relações comerciais com facções criminosas a partir de Mundo Novo –a 476 km de Campo Grande. A organização criminosa detinha diferentes núcleos, focados no tráfico de drogas.

Durante a investigação, a Polícia Federal apreendeu R$ 317.498,16, joias avaliadas em R$ 81.334,25, duas pistolas, 27 toneladas de maconha, duas caminhonetes e 11 veículos de transporte de carga. Os mandados de busca e apreensão atingiram mais de 140 veículos, entre automóveis, motocicletas, helicópteros e embarcações, além de imóveis.

Na Laços de Família, foram investigados crimes como tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico, lavagem de capitais e posse ilegal de arma de fogo. A denúncia foi aceita em agosto pela Justiça Federal. Molina também foi investigado por um duplo homicídio em janeiro de 2018, supostamente relacionado com uma guerra entre facções.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions