ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Polícia pedirá quebra de sigilo bancário de taxista assassinado

Trio de amigos disse que queria apenas roubar a vítima, mas situação saiu do controle e houve desentendimento

Por Dayene Paz e Bruna Marques | 14/06/2024 11:44
Devanir, taxista que foi encontrado morto, com marcas de tiros, em Ribas do Rio Pardo. (Foto/Reprodução/Facebook)
Devanir, taxista que foi encontrado morto, com marcas de tiros, em Ribas do Rio Pardo. (Foto/Reprodução/Facebook)

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul pedirá a quebra de sigilo bancário para saber o valor que foi roubado do taxista Devanir da Silva Santos, de 35 anos, assassinado a tiros na cidade de Ribas do Rio Pardo, distante cerca de 98 quilômetros de Campo Grande. Alan Rodrigues da Silva, de 24 anos, Gabriel Filipe Lima Felix, de 28, e Zico José da Silva, de 35 anos, são os homens presos pelo latrocínio.

Em coletiva de imprensa, na manhã desta sexta-feira (14), o delegado de Ribas, Felipe Braga, junto a equipe da Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros), repassaram informações acerca da investigação, que ainda está em andamento. O caso causou comoção na cidade interiorana, onde Devanir era conhecido e querido.

Desaparecimento - Devanir foi chamado para uma corrida, na terça-feira (11), e a partir de então, não deu mais notícias. Os familiares estranharam e acionaram a polícia, que passou a investigar o desaparecimento do taxista. Neste ínterim, o carro de Devanir, um Toyota Corolla, foi visto rodando pelas ruas da Capital, e também foram feitas transferências bancárias suspeitas, segundo o delegado Felipe.

Arma e outros objetos apreendidos com os suspeitos. (Foto: Henrique Kawaminami)
Arma e outros objetos apreendidos com os suspeitos. (Foto: Henrique Kawaminami)

Diante das informações, Braga pediu apoio da Garras, que tem sede na Capital, para ajudar nas diligências. O Corolla foi encontrado abandonado na Vila Santa Dorotheia e a partir daí, os suspeitos também foram localizados. Isso porque, testemunha viu os três discutindo para saber onde iriam se esconder.

Zico estava escondido em um hotel da Avenida Afonso Pena e com ele, a polícia encontrou uma arma calibre 38. Depois de mais diligências, os policiais chegaram a localização de Gabriel, na cidade de Ribas, e Alan, no Bairro Universitário, na Capital. Os três confessaram que haviam matado Devanir.

Taxi que pertencia à vítima e foi encontrado em Campo Grande. (Foto: Direto das Ruas)
Taxi que pertencia à vítima e foi encontrado em Campo Grande. (Foto: Direto das Ruas)

Como agiram - Interrogados, os três amigos confessaram o crime e disseram que a intenção era apenas roubar Devanir. "Queriam tirar dinheiro de qualquer forma", disse o delegado Guilherme Scucuglia, titular da Garras.

Eles pediram a corrida e no trajeto, anunciaram o assalto. Contudo, houve desentendimento entre os suspeitos e a vítima, conforme a polícia. O motivo desse desentendimento não foi informado durante a coletiva desta manhã.

Foi então que Devanir foi levado a uma área afastada de Ribas do Rio Pardo, um matagal, onde foi morto a tiros. Foram três disparos, que atingiram a cabeça, mão e perna da vítima, que também estava amarrada pelas mãos com um enforca-gato. No carro da vítima, localizado em Campo Grande, a polícia também encontrou enforca-gato.

Delegado Felipe (primeiro, de terno), ao lado dele, Guilherme Scucuglia, titular da Garras, na sequência, o delegado Pedro Pillar e por último, delegado Roberto Guimarães
Delegado Felipe (primeiro, de terno), ao lado dele, Guilherme Scucuglia, titular da Garras, na sequência, o delegado Pedro Pillar e por último, delegado Roberto Guimarães

Apesar de o delegado Felipe Braga afirmar que houve transferências bancárias suspeitas, a polícia só terá informações sobre valores depois que a Justiça autorizar a quebra de sigilo bancário. "Eles teriam informações de que a vítima teria valores disponíveis", disse o delegado Scucuglia.

Alan, apontado como atirador que matou o taxista, já tem passagem pelo mesmo crime no Paraná. Gabriel e Zico não possuem ficha criminal, segundo a polícia. Os três serão indiciados por latrocínio, ocultação de cadáver e posse ilegal de arma de fogo. Eles passarão ainda por audiência de custódia, sendo que a polícia já representou pela prisão preventiva dos três. A defesa de Gabriel já se manifestou pedindo liberdade provisória.

Cortejo - O adeus ao taxista aconteceu nesta sexta-feira (14) e contou com um cortejo pelas ruas até o local de sepultamento. A reportagem entrou em contato com os familiares, mas eles estão muito abalados e não quiseram conversar com a imprensa.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias