ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  12    CAMPO GRANDE 11º

Cidades

“PX”, ex-policial militar que viu filho morrer por engano, é preso no Paraná

Paulo Xavier foi alvo de operação que apura esquema de vazamento de informações do Detran do PR

Por Anahi Zurutuza | 11/06/2024 16:46
Paulo Roberto Teixeira Xavier, que foi preso no Paraná nesta terça-feira (Foto: Campo Grande News/Arquivo)
Paulo Roberto Teixeira Xavier, que foi preso no Paraná nesta terça-feira (Foto: Campo Grande News/Arquivo)

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) do Paraná prendeu, na manhã desta terça-feira (11), o ex-capitão da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul), Paulo Roberto Teixeira Xavier, de 52 anos. Ele é um dos alvos da Operação Money Poup, que cumpriu 37 mandados judiciais em Sarandi, Maringá e Santa Fé.

“PX”, como é conhecido, deixou Mato Grosso do Sul após a morte do filho, Matheus Coutinho Xavier, em 2019. O jovem foi executado enquanto manobrava a caminhonete do pai, na rua de casa, no Jardim Bela Vista, em Campo Grande. A investigação da Operação Omertà apurou, à época, que o universitário foi morto por engano e que os tiros de fuzil AK-47 eram destinados ao PM reformado, considerado traidor pelos Name, acusados de formar milícia armada para sustentar negócios ilegais.

No Paraná, Xavier trabalhava como despachante. Ele abriu empresa, a Poup Tempo, para atuar no ramo, em agosto de 2022, conforme CNPJ cadastrado na base de dados da Receita Federal.

De acordo com o apurado pelo Campo Grande News, nesta terça-feira, PX e a empresa eram alvos de mandados de busca e apreensão, mas ele acabou preso em flagrante com munições ilegais. Contra ele, também pesa ordem de recolhimento domiciliar com monitoração eletrônica.

Equipe de buscas em frente à empresa Poup Tempo, no Paraná (Foto: Victor Hugo Correa/GMC Online)
Equipe de buscas em frente à empresa Poup Tempo, no Paraná (Foto: Victor Hugo Correa/GMC Online)

A operação - A Money Poup investiga possíveis crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, falsificação de documento público e lavagem de bens, direitos e valores relacionados à 86ª Ciretran (Circunscrição Regional de Trânsito), com sede em Sarandi.

O chefe e um servidor público da unidade, além do assessor de um vereador de Maringá, foram afastados cautelarmente dos cargos por aparente envolvimento nos fatos apurados.

A investigação que teve início em março de 2023, quando o Gaeco de Maringá recebeu informações sobre um possível esquema de venda de informações privilegiadas por parte de servidores do Detran-PR (Departamento Estadual de Trânsito) do Paraná para determinado despachante.

O avanço da apuração identificou empresas e pessoas físicas que seriam beneficiárias do esquema. “Funcionava da seguinte forma: os servidores da Ciretran, com acesso a dados de condutores de veículos, vendiam as informações para despachantes, duas clínicas de exames toxicológico e uma empresa de placas. O servidor pegava essa informação confidencial uma informação que era do banco de dado do Detran e compartilhava os dados pessoais de um usuário do sistema viário, inclusive telefone celular, para o despachante entrar contato com essas pessoas e oferecer os serviços”, afirmou o promotor de Justiça, Marcelo Alessandro da Silva Gobbato, em entrevista à Rádio CBN do Paraná.

A reportagem não conseguiu falar com Xavier e está em busca de contato com a defesa dele. O espaço segue aberto para futuras manifestações.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias