ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, SÁBADO  17    CAMPO GRANDE 28º

Cidades

Recorde trágico: MS confirma 87 mortes por covid

É como se 1 pessoa falecesse a cada 16 minutos; hoje, conforme boletim, 21 vítimas tinham menos de 60 anos.

Por Guilherme Correia | 08/04/2021 10:51
Utilizando máscaras para reduzir danos da covid-19, moradores de Campo Grande caminham pelo Centro (Foto: Marcos Maluf)
Utilizando máscaras para reduzir danos da covid-19, moradores de Campo Grande caminham pelo Centro (Foto: Marcos Maluf)

Boletim epidemiológico desta quinta-feira (8) traz 87 mortes por covid-19 em Mato Grosso do Sul, maior número registrado em um mesmo dia. Até então, recorde era de 26 de março, quanto 70 vítimas entraram na contagem em 24 horas.

São 3,6 óbitos por hora, como se 1 pessoa falecesse a cada 16 minutos no Estado. Na segunda-feira, essa proporção era de cerca de 2 mortes a cada 60 minutos.

No total, até esta manhã, havia 1.218 pessoas internadas pelo vírus em unidades de terapia intensiva ou em leitos clínicos.

Essa alta de pessoas hospitalizadas faz com que a saúde pública apresente índices alarmantes de ocupação hospitalar - faltando leitos para qualquer outro tipo de doença ou acidente.

Além disso, é importante pontuar que a macrorregião de saúde de Campo Grande, que ontem possuía 103% de ocupação de UTI's (Unidades de Terapia Intensiva), registrou 96% das vagas ocupadas hoje - portanto, há disponibilidade de 4% delas.

Em março, o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, já alertava para essa situação, ao dizer que leitos só eram liberados quando pessoas morriam. Portanto, essa redução não significa, necessariamente, boa notícia.

"As pessoas estão esperando ir a óbito para cessar o leito. Logo depois, com processo de limpeza desse leito, vai servir a pessoa que está aguardando nas alas vermelhas entubados ou nas UPA's entubados", explicou há um mês atrás.

Por fim, conforme documento publicado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), foram inseridos 1.295 infectados pelo coronavírus, e o Estado chega a 225,9 mil casos e 4.717 óbitos desde o início da pandemia.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário