ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  25    CAMPO GRANDE 35º

Cidades

Relatório alerta para alta da covid e recomenda estender lockdown em Aquidauana

Pesquisadores de MS e da BA alertam para crescimento da doença na microrregião de Aquidauana e sugerem estender medida por 7 dias

Por Silvia Frias | 07/08/2020 08:20
Equipe da prefeitura vistoria cumprimento de medidas sanitárias em Aquiduana (Foto/Divulgação)
Equipe da prefeitura vistoria cumprimento de medidas sanitárias em Aquiduana (Foto/Divulgação)

Relatório de pesquisadores de universidades de Mato Grosso do Sul e da Bahia indica crescimento preocupante de casos do novo coronavírus (covid-19) na microrregião de saúde em Aquidauana em apenas duas semanas. A recomendação é prorrogar o lockdown no município, em vigor desde 31 de julho até esta sexta-feira (7).

O município distante 139 quilômetros de Campo Grande tem hoje 552 casos confirmados da doença, aumento de 44 notificações em 24h e 17 mortes, taxa de letalidade de 3,1%, conforme dados da SES (Secretaria Estadual de Saúde).

O Relatório Técnico de Análise Geocartográfica da Covid-19 na Microrregião de Saúde de Aquidauana-MS referente às Semanas Epidemiológicas 29ª à 31ª foi feito por pesquisadores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) e UFOB (Universidade Federal do Oeste da Bahia), os mesmos que recomendaram o lockdown em Dourados.

O estudo abrange dados de 18 de julho a 1º de agosto. “Todos os municípios dessa microrregião tiveram crescimento significativo na taxa de incidência da Covid-19, com exceção do município de Bodoquena”, explica a pesquisadora da UFMS, Eva Teixeira dos Santos, doutora em Saúde e Desenvolvimento na região do Centro-Oeste.

Mapa da microrregião utilizado no relatório dos pesquisadores (Foto/Reprodução)
Mapa da microrregião utilizado no relatório dos pesquisadores (Foto/Reprodução)

Com isso, pela escala estabelecida pelos pesquisadores de níveis de alerta de 1 a 5, Aquidauana e Miranda estão no grau 4, Anastácio e Dois Irmãos do Buriti no 3, Nioaque, 2 e Bodoquena no nível 1.

Os pesquisadores alertam para o crescimento de casos em Aquidauana, centro regional e de suporte à saúde dos outros municípios da microrregião e, por isso, sendo o que precisa tomar ações mais restritivas.

O relatório cita, ainda, a incidência da covid-19 entre a comunidade indígena na microrregião. De 18 de julho a 1º de agosto, período avaliado pelos pesquisadores, Dois Irmãos do Buriti tinha 64 casos (95,52% do total), Aquidauana com 238 casos, (53,60%) e Miranda com 99 casos (90% do total do município).

"Sendo assim, as medidas de restrição de mobilidade, barreira sanitária, bem como distanciamento social, testagem massiva da população, medidas de higiene pessoal e uso de máscaras - únicas medidas efetivas comprovadas cientificamente para conter a doença - devem ser realizadas e fiscalizadas", aponta o relatório sobre a situação na comunidade indígena. São mais de 5 mil índios distribuídos em 10 aldeias na região de Aquidauana.

Cidade tem 552 casos positivos e 17 mortes de covid (Foto/Reprodução)
Cidade tem 552 casos positivos e 17 mortes de covid (Foto/Reprodução)

Eva Teixeira diz que deve-se reconhecer o esforço da gestão municipal com adoção do lockdown com base nos estudos e no boletim de saúde, mas avalia que a medida deveria ser estendida por mais sete dias.

O decreto 114/2020 da prefeitura de Aquidauana determina o funcionamento apenas dos serviços considerados essenciais, como comércio e padarias, das 7h às 17h. Farmácias e postos de combustíveis podem funcionar 24h, mas apenas para abastecimento de veículos, sem serviços extras. A medida está prevista para terminar hoje.

O professor e pesquisador da UFGD, Adeir Archanjo da Mota, especialista em Geografia da Saude, diz que as prefeituras das outras cidades da microrregião também precisam ficar atentas. “Não há negociação com o novo coronavírus. Às vezes as pessoas veem o nível de alerta 2 e 1 e acham que a doença está ‘leve’ nesses municípios. Esclarecemos que alerta é alerta. Se está em alerta é porque já saiu da normalidade”.

#matéria atualizada às 9h41 para acréscimo de informações