ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 16º

Política

PGR pede que afastamento de conselheiros do TCE seja prorrogado por 1 ano

Medida contra Waldir Neves, Iran Coelho e Ronaldo Chadid já vigora há quase seis meses

Aline dos Santos | 30/05/2023 08:06
Conselheiros Waldir Neves, Ronaldo Chadid e Iran Coelho das Neves foram afastados. (Foto: Reprodução)
Conselheiros Waldir Neves, Ronaldo Chadid e Iran Coelho das Neves foram afastados. (Foto: Reprodução)

A vice-procuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, solicitou que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) prorrogue por mais um ano o afastamento de três conselheiros do TCE (Tribunal de Contas do Estado): Iran Coelho das Neves, Waldir Neves Barbosa e Ronaldo Chadid.

A PGR (Procuradoria-Geral da República) ainda pede que dois servidores também fiquem afastados por um ano: Douglas Avedikian e Thaís Xavier Ferreira da Costa.

Anexado ao processo no último dia 16, o documento lembra que o STJ afastou conselheiros e servidores desde 7 de dezembro de 2022, com prazo de 180 dias. A medida termina no próximo mês.

“Nesse contexto, o prazo de afastamento (...) aproxima-se do seu final, impondo-se, ao fiscal da lei, o dever de sua reavaliação, sendo certo que sua manutenção é medida essencial para garantia da normalidade da instrução que irá ser realizada no bojo das ações penais iniciadas a partir das denúncias oferecidas nos autos do INQ 1192, assim como à preservação da ordem pública”, informa a PGR.

 De acordo com o documento, a decisão trouxe robusta fundamentação acerca da necessidade da imposição do afastamento, com destaque para a extrema gravidade dos fatos investigados. Há suspeita de fraude em licitação.

“Não passou despercebida a circunstância de que os delitos foram praticados com abuso do exercício das respectivas funções, bem como a audácia com que agiram os denunciados, na medida em que mesmo após a deflagração da 1ª fase ostensiva da operação, agiram de modo a continuar com o esquema criminoso”, cita a PGR.

Segundo a procuradoria, mesmo com a apresentação de diversos requerimentos e recursos por parte dos investigados, nenhum fato novo foi trazido aos autos, de modo a credenciar o retorno deles aos seus cargos.

A defesa de Iran Coelho das Neves aponta que a prorrogação é descabida. “Será demonstrado o descabimento da prorrogação. Iran tem o direito de reassumir o cargo de conselheiro”, afirma o advogado André Borges.

Advogado de Waldir Neves, Ronaldo Franco aponta que a pretensão da PGR é descabida e sem nenhum fato novo que justifique. "Vamos nos manifestar em direção contrária. No Mato Grosso, afastaram por 5 anos pra depois pedir a absolvição", diz o advogado.

O TCE foi alvo de duas fases de operações da Polícia Federal: Mineração de Ouro e Terceirização de Ouro.

Nos siga no Google Notícias