A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Agosto de 2019

08/04/2019 19:55

TRF nega pedido para liberar R$ 4,9 milhões em bens de ex-adjunto da Sefaz

André Cance teve duas propriedades rurais congeladas durante investigações; defesa alegou bloqueios superiores a R$ 140 milhões para pedir levantamento de decisão

Humberto Marques
Decisão de Fontes no TRF-3 manteve bloqueio de R$ 4,95 milhões em bens de Cance. (Foto: Arquivo)Decisão de Fontes no TRF-3 manteve bloqueio de R$ 4,95 milhões em bens de Cance. (Foto: Arquivo)

O desembargador federal Paulo Fontes, do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) negou pedido feito por André Luiz Cance, ex-secretário adjunto de Fazenda de Mato Grosso do Sul na gestão de André Puccinelli (MDB), para desbloqueio de R$ 4,95 milhões em bens congelados durante a operação Computadores de Lama –sexta fase da Lama Asfáltica, que apura uma série de desvios ocorridos durante a gestão do emedebista a partir de fraudes em licitações e contratos.

O mandado de segurança tentava anular decisão da 3ª Vara Federal de Campo Grande, que apontou indícios de dissimulação para tentar ocultar o patrimônio –referente à fazenda Angico, desmembrada em duas áreas com valores de R$ 2,24 milhões e R$ 2,71 milhões.

Para conseguir a liberação dos bens, a defesa de Cance alegou que o ex-adjunto da Sefaz figura em outros pedidos de bloqueios de bens da Lama Asfáltica, citando, por exemplo, os R$ 43,1 milhões bloqueados na Fazendas de Lama (segunda fase da operação, que apurou justamente o uso de propriedades rurais para ocultação de recursos supostamente desviados) e os R$ 100 milhões congelados na Máquinas de Lama (a quarta fase, que apurou o desvio de recursos a partir de contratos fraudulentos para aluguel de maquinário pesado). Além disso, pontua que ele não foi denunciado no processo da Computadores de Lama por lavagem de dinheiro, e sim por evasão de divisas.

A decisão contestada havia considerado que os indícios levantados pelo MPF na Computadores de Lama eram robustos para comprovar práticas como evasão de divisas e lavagem de dinheiro. A operação foi deflagrada em novembro de 2018 para apurar remessas ilegais de recursos para o exterior feitas por proprietários de empresas de informática que já tinham sido alvos da Lama, valendo-se de “laranjas”. Um dos alvos foi o empresário João Baird, que esteve à frente de empresas que mantiveram contratos milionários com a administração estadual na área de informática e processamento de dados.

Cance foi adjunto da Sefaz na gestão de Puccinelli. (Foto: Arquivo)Cance foi adjunto da Sefaz na gestão de Puccinelli. (Foto: Arquivo)

Simulação – Contra Cance, as acusações envolveram falsidade ideológica, concurso de pessoas e concurso material, praticadas para assegurar vantagem em outros crimes, “notadamente lavagem de dinheiro”. Ele teria assinado dois recibos falsos para tentar burlar bloqueios de bens anteriores, nos quais simularia a venda de fazendas.

Indícios da ilegalidade apareceram em outras fases da Lama, incluindo descontos totais de R$ 912 mil oferecidos aos compradores das duas partes da Angico com “plena e total quitação” –de forma a mostrar que áreas vendidas foram todas pagas antes da Fazendas de Lama, não podendo assim ser bloqueadas.

Fontes, em seu despacho, considerou não enxergar ilegalidade no bloqueio de bens. Para o desembargador, a decisão da 3ª Vara tinha justificativas. “Existem, efetivamente, indícios veementes da prática de delitos indicados pelo Ministério Público Federal, a indicar a necessidade de manutenção da constrição”, alegou, reiterando ver risco de dissipação do patrimônio em caso de sua liberação, “em prejuízo ao da eventual necessidade de reparação de danos”.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions