A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

30/04/2008 11:01

Acusado diz que vendia droga e tinha celular no presídio

Redação

Julgado nesta quarta-feira por envolvimento no assassinato de Willian Maksoud, em abril de 2006, Edmilson dos Santos Pires, 41 anos, disse que vendia drogas no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande e que tinha celular.

As afirmações foram feitas durante o julgamento, onde disse também que a morte do advogado não tem relação com o PCC e que foi encomendada por ele, pois havia ficado sabendo que o criminalista tinha mandado mata-lo.

Declarou que ganhava de R$ 4 a R$ 5 mil por mês com o tráfico e que tinha contato com conhecidos que não estavam presos através do celular. Meio pelo qual planejou, junto com Edson Ferreira, o Rato, a execução.

Diante da afirmação que vendia drogas, mas não era do PCC, o MPE (Ministério Público Estadual), questionou como podia lucrar com o tráfico. Ele respondeu que a venda

UFMS divulga edital do vestibular para ingresso em cursos de graduação
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) divulgou, nesta segunda-feira (18), edital do processo seletivo do vestibular para ingresso em cu...
IFMS oferece 200 vagas para cursos técnicos e inscrições findam em janeiro
Interessados em realizar cursos técnicos podem participar de seleção no IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul). São oferecidas 200 vagas na m...
Aplicativo enviará à CGU denúncias de agressão e discriminação a pessoas LGBTI+
O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União recebe, a partir de hoje (18), denúncias feitas pelo aplicativo TODXS, relativas à discr...
TSE: regras eleitorais deixam dúvidas sobre fake news e autofinanciamento
O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou hoje (18), por unanimidade, as 10 resoluções que irão regular as eleições de 2018, mas ainda ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions