A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

07/10/2013 17:45

Após episódios de intoxicação de crianças, Paraguai regulamenta venda de remédio

Bruno Chaves
Mais de 3 mil medicamentos foram retirados de prateleiras da fronteira (Foto: Reprodução/Conesul News)Mais de 3 mil medicamentos foram retirados de prateleiras da fronteira (Foto: Reprodução/Conesul News)

O Ministério da Saúde do Paraguai regulamentou a venda de remédios em todo o território nacional depois de episódios de intoxicação com crianças na fronteira com Mato Grosso do Sul, informou o gerente medicamentos e produtos da Vigilância Sanitária de Mato Grosso do Sul, Adam Adami. Antes, a compra de medicação era feita em padarias, supermercados, conveniências e até açougues.

“Depois do episódio de intoxicação de crianças, o país [Paraguai] regulamentou melhor a venda dos remédios, que agora só pode ser feita em farmácias e drogarias”, disse o gerente.

Na última sexta-feira (4), o órgão de saúde do Paraguai determinou a realização de um mutirão do Serviço de Vigilância Sanitária de Pedro Juan Caballero, que faz fronteira com Ponta Porã, para que todo produto farmacêutico com o insumo Dextrometorfano, que afetou pelo menos 27 crianças nos dois países, fosse apreendido.

Segundo o site Conesul News, mais de três mil frascos e cartelas de medicamentos com diferentes nomes comerciais foram recolhidos das prateleiras da cidade. Só em uma farmácia, a Vigilância Sanitária encontrou mais de 200 produtos. O remédio podia ser encotnrado com os nomes Mentovick, Tegnogrip Plus, Tegnogrip, Medibron, Bronolex e Bronalar.

As vigilâncias sanitárias de Ponta Porã e do estado de Mato Grosso do Sul também emitiram um alerta para os riscos do xarope com o princípio ativo "dextrometorfano" fabricado no Paraguai.

Ainda de acordo com Adam, no Brasil não foi necessária a realização de mutirões para conscientização da população sobre o risco do consumo do remédio, já que a substância é proibida no País e não existe nenhuma denúncia de locais que façam a venda ilegal do medicamento.

Brasil – Também no dia 4, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou resolução determinando a suspensão da importação, distribuição, comércio e uso do insumo farmacêutico ativo Dextrometorfano no Brasil.

O xarope que causou reações adversas em crianças na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai é fabricado no país vizinho e utiliza o insumo importado do laboratório indiano. O medicamento não tem registro no Brasil e a suspensão da Anvisa considerou o alerta sanitário emitido pela Vigilância Sanitária de MS e informações da reunião do Comitê Interfronteira realizado em Ponta Porã.

Antes de determinar a suspensão, a agência emitiu alerta, no dia 27 de setembro, para o risco de intoxicação causada pelo consumo do medicamento. O xarope fabricado no Paraguai envenenou crianças em Dourados e Ponta Porã.

Na primeira cidade, cinco crianças, duas procedentes de Ponta Porã, foram internadas na UTI do Hospital Universitário em estado grave com insuficiência respiratória aguda, cianose (lábios arroxeados) e sonolência. Outras duas crianças chegaram a óbito.

Já em Ponta Porã, foram três casos envolvendo crianças que consumiram medicamento Mentovick a base de Dextrometorfano. As vítimas apresentaram quadro de insuficiência respiratória, dispnéia e cianose. Os casos são investigados pela vigilância epidemiológica.

Óbitos – O secretário de Saúde de Ponta Porã, Eduardo dos Santos Rodrigues, descartou a intoxicação por Dextrometorfano como a causa dos dois óbitos. Segundo Eduardo, as mães das duas crianças que morreram afirmaram que os filhos não ingeriram o xarope. De acordo com o secretário, a primeira criança faleceu de broncopneumonia e a segunda de infecção generalizada.

Anvisa proíbe importação de insumo de xarope que intoxicou crianças
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou, no Diário Oficial da União, nesta sexta-feira (4), resolução determinando a suspensão d...
Após intoxicação de crianças de MS, Paraguai pode proibir venda de xarope
Após surto de intoxicação de crianças brasileiras e paraguaias com o xarope Mentovick, autoridades da área de Saúde do Brasil e do Paraguai se reunir...
Das 3 crianças intoxicadas com xarope, uma ainda continua internada
Das três crianças intoxicadas com xarope infantil "contrabandeado" do Paraguai, apenas uma continua internada no Hospital Universitário de Dourados, ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions