A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

01/10/2013 13:01

Após intoxicação de crianças de MS, Paraguai pode proibir venda de xarope

Bruno Chaves

Após surto de intoxicação de crianças brasileiras e paraguaias com o xarope Mentovick, autoridades da área de Saúde do Brasil e do Paraguai se reuniram nesta terça-feira (1º) para tomarem posição conjunta acerca dos trabalhos de prevenção e investigação, além de discutirem a proibição de comercialização do medicamento. No Brasil foram 11 crianças intoxicadas na região de fronteira. Já no Paraguai, são 16 casos em análise.

O medicamento é fabricado no Paraguai, de acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e não tem registro no Brasil.

Segundo o secretário municipal de Saúde de Ponta Porã, Eduardo dos Santos Rodrigues, a indústria paraguaia Indufar é investigada por suposta prática de adulteração na matéria prima, que vem da Índia, de um lote do xarope infantil com princípio ativo Dextrometorfano. “Aconteceram casos parecidos de intoxicação em Cuba e na República Dominicana. Aqui no Brasil, estamos vendo, junto a Anvisa, se tem casos parecidos”.

Eduardo contou que as vítimas de intoxicação possuem idade entre sete meses e dois anos e oito meses e a suspeita é que a superdosagem tenha intoxicado os pequenos. “A suspeita é de que tenha havido superdosagem, já que a dose utilizada foi a mesma para todas as crianças, 5 ml. Só que esse remédio só pode ser ministrado para crianças com mais dois anos”, explica.

O médico ainda descartou óbitos causados pelo medicamento. As mães das duas crianças que morreram afirmaram que os filhos não ingeriram o xarope. Segundo Eduardo, a primeira criança faleceu de broncopneumonia e a segunda de infecção generalizada. Dos três casos que precisaram de internação, apenas uma criança de sete meses continua no hospital, porém deixou a UTI e já se encontra na área de pediatria.

Ainda de acordo com o secretário de Saúde, cinco casos são analisados em Ponta Porã, seis em Dourados e 16 no Paraguai.

Conscientização – “Agora, trabalhamos com a conscientização da população para que não consumam medicamentos por conta própria. Aqui na região de fronteira, a automedicação e facilidade de se conseguir medicamentos facilitam as intoxicações. Até em açougue você consegue comprar remédios”, diz o secretário.

Todos os xaropes com princípio ativo Dextrometorfano foram retirados de comercialização, afirmou Eduardo. São eles, Mentovick, Tegnogrip Plus Núcleo, Tegnogrip, Medibron Xarope, Bronolex e Bronolar Xarope.

Das 3 crianças intoxicadas com xarope, uma ainda continua internada
Das três crianças intoxicadas com xarope infantil "contrabandeado" do Paraguai, apenas uma continua internada no Hospital Universitário de Dourados, ...
Vigilância Sanitária investiga morte por intoxicação com remédio ‘falsificado’
A Coordenadoria Estadual de Vigilância Sanitária de Mato Grosso do Sul investiga sete casos de intoxicação por uso de remédios provindos do Paraguai....


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions