A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

14/06/2012 14:54

Assembleia na UFMS reúne professores, técnicos e alunos para discutir greve

Mariana Lopes e Viviane Oliveira

No Estado, Aquidauana, Três Lagoas, Paranaíba e Nova Andradina já estão em greve. No Brasil, pelo menos 52 instituições federais de ensino superior aderiram à paralisação.

Assembleia desta quinta-feira, em frente ao RU, todos tiveram direito de pontuar as reivindicações (Foto: Minamar Júnior)Assembleia desta quinta-feira, em frente ao RU, todos tiveram direito de pontuar as reivindicações (Foto: Minamar Júnior)

Pela primeira vez, uma assembleia reuniu professores, técnicos e acadêmicos da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). O encontro aconteceu no final da manhã de hoje (14), em frente ao Restaurante Universitário, para discutir sobre a greve dos docentes em Campo Grande.

Na assembléia, cada categoria pontuou a própria reivindicação. Os alunos pediram por assistência estudantil, os técnicos pelo reajuste salarial e os professores por condições de trabalho e restabelecimento de carreira.

De acordo com o professor de Geografia do campus de Aquidauna, Luiz Carlos Batista, os docentes de lá estão em greve desde o dia 17 de maio, além de Três Lagoas, Paranaíba e Nova Andradina. Ao todo, no Brasil são 52 universidades federais que estão em greve.

Sobre o fato de Campo Grande ainda não ter aderido à paralisação, o professor explica que é por causa da divergência dos dois sindicatos que representa os docentes da UFMS, a Adufms (Associação dos Docentes da UFMS), na Capital, e o Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), nas demais universidades federais.

Ainda segundo o professor, em Três Lagoas, o sindicato fez uma pauta de reivindicação ao Governo Federal de reestruturação da carreira dos docentes, na qual pedia 10% do PIB para a Educação e autonomia das UFMS – uma luta histórica em defesa do ensino público gratuito no País.

Dessas reivindicações, o Governo criou um GT (Grupo de Trabalho) para discutir a carreira dos docentes, e a partir daí foram agendadas algumas reuniões, mas nenhuma proposta foi formalizada ainda. “Em função dessa situação, o Andes aprovou um indicativo de greve das instituições federais de ensino superior”, explica o docente.

Professor Luiz Carlos Batista (Foto: Minamar Júnior)Professor Luiz Carlos Batista (Foto: Minamar Júnior)

Ainda segundo Luiz Carlos, a Adufms, no dia 5 de junho, realizou uma assembleia somente com os docentes e deliberou a paralisação a partir do dia 12. Porém, sem quórum para oficializar a greve, uma nova assembleia foi marcada para amanhã, às 14h, na sede do sindicato da Capital.

A greve já foi deflagrada, mas não oficializada legalmente. "Não tinha coro para oficializar, então foi marcada para amanhã uma nova assembléia", afirma Luiz.

O professor conta que a última greve em Campo Grande foi em 2001. “Essa unificação, professor, técnico e acadêmicos, é para fortalecer e ter o apoio dos alunos, que é a razão de existir uma universidade”, diz Luiz Carlos.

Sem querer se identificar, uma acadêmica de Ciências Sociais, do campus de Campo Grande, disse que os alunos apoiam a greve. “Quando os professores têm mais condições de aula, os alunos só tem a ganhar com isso”, enfatiza.

Ela pontua também algumas questões que foram colocadas na reunião, como pedido dos alunos, como o funcionamento do Restaurante Universitário, que não abre aos sábados e nem à noite, moradia estudantil, melhor estrutura da biblioteca, proximidade com a reitoria, entre outras coisas.

De acordo como coordenador geral do Sista, Lucivaldo Alves dos Santos, que representava os técnicos da UFMS, no Brasil a categoria já está em greve desde o dia 11 de junho. E no dia 20, terá uma assembléia para definir a data da paralisão em Campo Grande.

Carro roubado no RJ é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions