A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

21/03/2009 09:07

Assessora citada em caso da Agehab afastada pela Sejusp

Redação

Apontada como uma espécie de "agenciadora" de vítimas do golpe da Agehab (Agência Estadual de Habitação), Kátia Miranda já não é mais assessora de gabinete da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública).

Ela é escrivã lotada na DGPC (Diretoria Geral da Polícia Civil), para onde voltou na segunda-feira passada, quando veio à tona o escândalo de venda de casas.

O afastamento ocorreu dois dias depois da prisão de Ademar Pereira Mariano, que confessou operar o esquema. A medida foi confirmada na Secretaria nesta sexta-feira, apesar de antes ter sido dito que nenhuma Kátia trabalhava na Sejusp.

Depois da prisão, Mariano já prestou depoimentos em três unidades de polícia diferentes e sempre apresenta versões divergentes, mas preserva o envolivmento de Kátia e do marido dela, um servidor da Agepen, segundo Ademar.

Na primeira delas, Mariano afirmou que a ex-assessora de gabinete e o marido encontravam pessoas para comprar as casas, que na verdade não existiam. Ele destacou que no primeiro momento a policial tinha interesse apenas em adquirir casas, mas passou a atuar no esquema.

Ademar teria conhecido por meio do irmão de Marlene Loubet, esposa de um primo do deputado federal Vander Loubet.

Kátia, o marido Adson Zerial e a mãe dela, também ganhavam com o esquema, garante o golpista. Ele relatou que certa vez, a servidora da Sejusp chegou a dizer que suas "costas quentes" garantiram, inclusive, guarida ao pistoleiro que matou o vereador ratinho, em Bela Vista.

Depois, ao falar com a corregedoria-geral da Polícia Civil, Ademar amenizou a denúncia contra o casal, dizendo que, como os dois trabalhavam no setor de segurança pública, ofereciam apenas facilidades ao golpista em troca das vantagens para comprar casas da Agehab.

Para evitar que a fraude fosse descoberta, eles repassavam informações privilegiadas sobre a investigação, diz Ademar.

Kátia foi ouvida pelo Campo Grande News na segunda-feira, ainda na Sejusp. Ela assegurou que é uma vítima das ações e garantiu que já havia denunciado o caso à delegada que era responsável pela investigação, Rosely Molina.

Delegada - Molina também é alvo das acusações de Mariano. Ele afirma que membros da quadrilha pagaram entre R$ 10 mil e R$ 50 mil para que a delegada não o prendesse.

A Polícia Civil chegou ao escritório de Mariano, na Avenida Tiradentes, onde apreendeu documentos. Depois da apreensão, nada mais foi divulgado acerca do caso.

Apesar de divergências nos 3 depoimentos dados, em nenhum deles ele poupa a delegada. Diz, inclusive, que após o pagamento de propina, ouviu entrevista da delegada onde ela dizia que não tinha elementos para prender ninguém, e que um advogado fez o comentário de que o que havia garantido isso era dinheiro, apesar de cheques apreendidos e depoimentos de dezenas de vítimas.

O procedimento foi tirado da delegada e agora está nas mãos da corregedora Célia Maria Bexerra da Silva. Tudo é mantido em sigilo e a divulgação concentrada na Sejusp, que se limita a dizer que somente ao fim do inquérito, com um relatório em mãos, o secretário Wantuir Jacini irá se pronunciar.

Paralelamente, outra investigação é feita pela PF (Polícia Federal) porque o golpista alega fazer parte de um complô político contra o senador Delcídio. O preso aponta o deputado federal Vander Loubet (PM/MS) como mentor do esquema.

O motivo, segundo Mariano, seria prejudicar o senador na convenção do PT de novembro. O deputado cobrou da PRF (Polícia Rodoviária Federal) o "vazamento" da gravação feita pela instituição para a imprensa.

Já a PRF, afirma que não forneceu gravações aos veículos de comunicação. A medida adotada pela Polícia foi afastar dos serviços operacionais do NOE (Núcleo de Operações Especiais) um dos policiais responsáveis pela prisão, Wolney Almeida, que atualmente está no setor administrativo.

Câmara Federal regulamenta carreira dos agentes comunitários de saúde
Com a presença de agentes comunitários nas galerias da Câmara, os deputados federais concluíram hoje (12) a votação do projeto de lei que regulamenta...
Anvisa libera serviço de vacinação em farmácias de todo o país
Farmácias e drogarias de todo o país vão poder oferecer o serviço de vacinação a clientes. A possibilidade foi garantida em resolução aprovada hoje (...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions