ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Fundação de Cultura abre processo de tombamento do Parque dos Poderes

Decreto legislativo que prevê medida entrou em vigor em novembro do ano passado

Por Tainá Jara | 15/07/2019 15:26
Tombamento também abrange a área do Parque das Nações Indígenas, cujo lago passa por processo de desassoreamento. (Foto: Arquivo)
Tombamento também abrange a área do Parque das Nações Indígenas, cujo lago passa por processo de desassoreamento. (Foto: Arquivo)

A preservação da região do Parque dos Poderes, em Campo Grande, ficará mais rigorosa com o tombamento do local como patrimônio natural. Publicação do Diário Oficial do Estado, desta terça-feira, traz a autorização da FCMS (Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul) para abertura do procedimento. A medida está prevista em decreto legislativo sancionado há oito meses.

Assinada pela diretora-presidente da autarquia, Mara Caseiro, a publicação prevê estudos de viabilidade do tombamento da paisagem do Complexo dos Poderes que compreende as áreas do Parque dos Poderes, o Parque Estadual do Prosa e o Parque das Nações Indígenas, em cumprimento ao Decreto Legislativo nº 606 de 29 de novembro de 2018 e a Lei Estadual nº3.522 de 2008.

Alvo de propostas de desmate para construção de residência e até estacionamento, o Parque dos Poderes, que abriga a sede do governo do Estado e suas secretarias, deve ficar mais protegido a partir do tombamento como patrimônio natural.

O ato administrativo prevê, entre outras medidas, a proibição de derrubada de vegetação e realização de obras. A presença de rebanhos e animais domésticos de propriedade particular e a exploração de recursos naturais também ficam restritas.

No ano passado, foi aprovada pela ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), a Lei 5.237, que define 11 áreas do parque em que não se aplicam a proibição de desmatamento. O espaço, seria para atender a Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda), que, além de uma unidade no parque, funciona em imóveis localizado no centro de Campo Grande.

A medida levou a elaboração de abaixo-assinado, com mais de 10 mil assinaturas. A insatisfação gerou ação civil popular para suspender desmatamento de 3,3 hectares. No entanto, a suspensão liminar do procedimento administrativo no Imasul (Instituto Municipal de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) foi negada pelo juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, no mês de maio.

Na ocasião, a PGE (Procuradoria-Geral do Estado), alegou que a lei detalha que o Parque dos Poderes “Governador Pedro Pedrossian” tem onze áreas em que não se aplica a proibição de desmatamento. Segundo ele, a mesma lei veta retirada da vegetação em outros 467 hectares.

No final de junho, o MPE (Ministério Público Estadual) ingressou com nova ação para barrar o desmatamento, alegando que o supressão vegetal tem ligação com o assoreamento dos córregos que forma o logo do Parque das Nações Indígenas. Entre os pedidos feitos à Justiça, está um tombamento provisório da área.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário