A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

19/07/2011 19:29

A um mês para lei entrar em vigor, motoentregadores ainda contestam regulamentação

Paula Maciulevicius

Classe de revendedores de Gás GLP calculam prejuízos financeiros e o tempo gasto para as entregas

Presidente do Sindicato afirma que grelha é segura e que nova lei pode resultar em prejuízos e demissões. (Foto: João Garrigó)Presidente do Sindicato afirma que grelha é segura e que nova lei pode resultar em prejuízos e demissões. (Foto: João Garrigó)

Faltando pouco menos de um mês para entrar em vigor, a lei que regulamenta o serviço de motoentrega de botijões de gás de cozinha vai trazer prejuízos às empresas e ao consumidor. Pelo menos é este o ponto de vista da categoria, que também acredita no atraso da chegada do gás aos consumidores de todo país.

A resolução que só permite a entrega em sidecar, um dispositivo acoplado ao lado da moto, que resulta em um veículo de três rodas, e não mais nas motocicletas com a grelha acoplada promete levar mais tempo na entrega. Além do atraso, comparado ao modo como circula até então, a categoria também já está pesando no quanto vai ter que gastar para se adaptar.

O presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás GLP, Pedro Nantes, calcula uma média para o sidecar, entre R$ 3mil e R$ 5 mil com o agravante de que cada moto precisa ter até cinco anos de uso, e que depois de retirada da concessionária para ser usada com sidecar, perde a garantia de fábrica.

“Inclusive já vem sem a garantia”, esclarece. Para cada motocicleta nova, o cálculo sai na média de R$ 7mil a R$ 10 mil.

A categoria explica que desde o final da década de 90, já procurava regulamentar a motocicleta carregando dois botijões por vez como ferramenta de trabalho da empresa que entrega o gás de cozinha. Em 2002, a classe foi ainda mais adiante e pediu no Senado para aprovação do que já está em prática há décadas.

Sidecar torna motocicleta veículo de três rodas
(Foto: João Garrigó)Sidecar torna motocicleta veículo de três rodas (Foto: João Garrigó)

Em 2009, uma lei veio regulamentar o contrário do que era pedido. Ao invés da motocicleta, o uso do sidecar. Para o presidente do Sindicato, danos para mais de metro. “Vai ser maior congestionamento no trânsito com a exigência, quem vendia 900 botijões por mês, conseguirá atender 1/3 dos clientes”, explica Pedro.

Isso, somado nas empresas pode ganhar proporção ainda maior “transtorno para toda uma sociedade”, acrescenta.

Em defesa das grelhas, o representante da categoria resume que as motocicletas não extrapolam a capacidade de peso, e que o produto não ultrapassa o bagageiro nem os manetes de frio e retrovisores, conforme a lei determina.

“Tem a tampa da trave, não tem risco de se desprender e de atingir o piloto ou pedestres”, ressalta.

O motoentregador Jorge Luiz Alba, de 37 anos, trabalha há 12 entregando o produto nas cozinhas campo-grandenses e calcula por cima a diferença entre a motocicleta e o sidecar. “Com a moto são 20 minutos de entrega, o sidecar já leva pelo menos 35 minutos e não passa por onde a moto passa, não tem como ir cortando”, diz.

Ele ainda avalia que muitas empresas podem vir a fechar as portas. “Pensa tendo que comprar pelo menos cinco sidecar, imagina como vai ficar o trânsito? E a demora na entrega, tudo isso pode fazer empresas quebrarem”, analisa.

Por enquanto, a orientação do sindicato é para que os empresários não adquiram nada antes da palavra final.

O presidente Pedro insiste “poder não pode alterar, então a única coisa que nos resta é que seja dado um prazo mínimo de um ano para que o poder público cumpra a parte dele. E depois impetrar com uma medida judicial pedindo a suspensão da lei pela impraticabilidade”, resume.

Outro ponto a ser questionado pela categoria é sobre a assistência técnica do sidecar. “Não tem assistência aqui, você precisa mandar via frete, aí ficam dois, três meses e o que eu faço enquanto isso?”, questiona.

Os riscos avaliados pela categoria vão desde demissão a extinção da atividade do motoentregador. “Precisa de curso especializado e habilitação diferenciada. Milhares podem perder o emprego e a maioria das revendedoras são microempresas, quem faz a entrega é o filho do dono, às vezes não tem nem funcionário, será uma demissão em massa”, calcula Pedro Nantes.

Para o diretor presidente da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Rudel Trindade, o problema é complicado de se resolver e várias reuniões já foram feitas por conta da questão.

Por se tratar de uma lei federal, Rudel afirma que a legislação municipal está de mãos atadas e que na próxima semana uma reunião deve ser realizada para discutir como vai ser quando a lei entrar em vigor.

Em função do interesse da categoria, o diretor presidente da Agetran disse que será feito trabalho de orientação e que após 90 dias, é que começam as autuações.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Sou a favor desta lei, pois com isso irá aumentar o numero de vagas nas revendas
pois vai ser preciso admitir mais pessoas pra conter a demanda, alem de dar mais segurança para os entregadores, além da sidecar também tem semi reboques
triciclo ou mesmo carro utilitário, daí é só cada empresário somar custos e embutir
nas entregas que varia de 2,00 a 3,00 a mais por botijão,não é nada de absurdo.
 
gessiel de souza em 11/05/2012 10:01:59
ai sou entregador de gas por uma parte é boa mais por outra sera muito rui causa do tempo gasto ai diviam deixar entregar pelo menos um gas por moto
 
douglas de freitas em 04/12/2011 11:12:33
Não sou contra essa lei, a profissão de motoboy precisava de uma regulamentação o sidecar e bem útil, mas quando é preciso atravessar a cidade para entregar um único botijão fica complicado e bem mais lento, sou a favor de aprovarem ao menos o transporte de um botijão em uma grelha homologada.
 
marcel Saraiva em 13/10/2011 01:46:52
Sou entregador de gás a 15 anos, a moto foi um jeito de baixar os custos e poder competir com a concorrência desleal que vendem gás em mercadinhos sem nota fiscal e nem alvará.
Atualmente estou 100% dentro da lei, instalei o sidecar na moto, que realmente ficou mais lenta, para fazer curvas a velocidade segura e de 20km/h e em uma reta e de 60km/h se a via não tiver buracos.
 
Marcel Saraiva em 13/10/2011 01:36:03
Acredito que o que falta para os "empresarios do gás" é união, pois infelizmente está categoria é muito desunida, não precisa muito barulho para fazer a coisa acontecer, simplismente parar as entregas, quem quer gás, coloque seu botijão no carro e vá buscar no posto mais próximo, isto geraria alto indice de desemprego e trasntornos para a sociedade, será que o nosso governo iria gostar disto, o que ele irá fazer com tantos motoentregadores desempregados? Com quem não tem veiculo para buscar? Sem falar que com certeza o gás terá um acrescimo para chegar até o consumidor, pois adequar a motoentrega conforme a legislação prevê, irá onerar os custos dos revendedores, afinal, alguém tem que pagar por isto.
 
Maria da Silva em 22/07/2011 08:25:09
Olha, Não sei porque essa Lei, sera que esta tendo muito acidente, pois se tivesse ai sim seria uma Lei boa. Agora acho que os vendedores começão a cobrar a entrega. A população tera que ir comprar em vez de pedir pra entregar. E cada um tera que aprender a colocar seu botijao certinho, pois o proprio entregador as vezes é ele que coloca. ai começara outros acidentes.........
 
thiago souza em 20/07/2011 12:58:57
BEM SE VÊ QUE CERTAS FONTES ANDAM BEM SENTADINHAS NO BANCO DE TRÁZ COM MOTORISTA, SEM SE PREOCUPAR COM O QUE OCORRE NA REALIDADE EM SUA VOLTA, NÃO SOU MOTOQUEIRA MAS UTILIZO TODO O TEMPO O SERVIÇO DOS MESMOS QUE ALEM DE BARATEAR OS CUSTOS DESAFOGAM O TRANSITO, O CASO AQUI NÃO É O MOTOQUEIRO DE FORMA GERAL, EMBORA SEJAM UMA CATEGORIA POR VEZES MARGINALIZADA, MAS QUE TODOS SEM DISTINÇÃO INCLUSIVES ALGUMAS FONTES JÁ UTILIZARAM DE SEUS SERVIÇOS MESMO QUE SEJA PRA PEDIR UMA PIZZA OU UM MEDICAMENTO TALVEZ?A QUESTÃO É O ENTREGADOR DE GÁS, POIS BEM, IMAGINO QUE NINGUEM ESTÁ DISPOSTO A ESPERAR MAIS DE MEIA HORA PRA TERMINAR O ARROZ, QUE VAI VIRAR UMA PAPA OU SE FOR BOLO NO FORNO ENTÃO PERDA TOTAL, GÁS TODO MUNDO USA, PELO MENOS TODO MUNDO QUE CONHEÇO, ACIDENTE ENVOLVENDO ENTREGADOR DE GÁS, ACHO QUE DÁ PRA CONTAR NOS DEDOS AO PASSO QUE ACIDENTES DE TRANSITO TEM TODA HORA E TODO TEMPO, E NA MAIORIA É CARO E NÃO MOTO, AS NOTICIAS DE ACIDENTES COM MOTO SÃO MAIS VISTAS DEVIDO A GRAVIDADE AS VEZES, E QUEM SERA VAI PAGAR A CONTA DESSE INVESTIMENTO, SERÁ QUE A CATEGORIA VAI TER COMO ABSORVER UM CUSTO DE 3 A 5 MIL POR MOTO? NA HORA DO GAS RAPINHO TODO MUNDO QUER, MAS NA HORA DE APOIAR UMA CLASSE DE PESSOAS TRABALHADORAS QUE TRABALHAM DE SEGUNDA A SEGUNDA, POIS É MEU GAS VIVE ACABANDO DOMINGO ELES ESTÃO LÁ, O PESSOAL SÓ SABE ABRIR A BOCA PRA FALAR BESTEIRA, QUE RISCO OS ENTREGADORES DE GÁS TRAZ PRA SOCIEDADE, FALA SERIO, DEIXA OS CARAS TRABALHAREM EM PAZ!
 
SANDRA LAMEU em 20/07/2011 12:32:53
Certamente quem vai ganhar com essa lei serão os fabricantes do sidcar, e a AGETRAN com as multas,já toda a sociedade perde de alguma forma.Como se já não bastasse o valor alto de um botijão de gás e de tudo o mais que consumimos diariamente, agora mais essa.
 
Marcia França em 20/07/2011 12:05:02
Só lembrando que pelo código de trânsito, andar no corredor não é errado, mas vai da interpretação. Pode cair como não manter a distância de segurança dos carros ao lado.
Já vi interpretação que é errado somente com os carros parados, vai entender...

Minha opinião a respeito disso, acho que aqui em Campo Grande não precisa andar no corredor. No máximo no semáforo fechado, que como eu disse antes, não tem problema nenhum e ainda agiliza o trânsito. Só se o animal conseguir bater em retrovisor, mas aí é barbeiragem e no mínimo tem que pagar o conserto.

Muita gente nunca subiu numa moto e posta falando que isso é errado. Ora, eu entro num corredor no semáforo na mesma facilidade que entro com o carro na garagem de casa.

Agora em cidades grandes como São Paulo é impossível andar de moto sem andar no corredor. Se o trânsito lá já é ruim com as motos no corredor, imaginem se andassem na faixa com os carros?

Agora eu estranho a hipocrisia de muitos. É impressionante, falam como se só os motoqueiros furassem sinal, costurassem, etc. Só lembrando de 2 noticias aqui do CG News, o playboy que matou a senhora em frente ao shopping e a moça que furou um sinal, acertou e matou uma menina de moto e ainda correu pra fazer BO dizendo que o carro tinha sido roubado.

E ao Marcos. engraçado, eu tenho quase a mesma opinião...a respeito dos motoristas. E olha que eu também tenho e ando de carro e vejo cada barbeirada dos 4 roda que eu vou te falar viu, coisa de loco.

Tem que rever como se tira habilitação tanto de carro como de moto. Tem que ser mais dificíl, a pessoa tem que sair de lá com uma perícia boa. Hoje em dia, de carro se aprende a trocar marcha e fazer baliza manjada que já ta com a carteira na mão. De moto faz aquela pistinha de equilibrio nada a ver com a realidade e anda num trânsito perfeito. Não preparam para as fechadas, não ensinam o futuro motociclista a se posicionar de modo a ser visto, não ensinam a freiar...nada disso. Ensinam a passar naquela pistinha tosca do detran. Tem coisas que só com o tempo que se aprende, por exemplo, nunca ficar na direita de caminhão/ônibus, ou então "entender" que um caminhão, para entrar na direita, abre para esquerda antes, etc. Mas tem coisas poderiam estar ensinando já no processo de tirar a habilitação. E principalmente, outras coisas deveriam ser ensinadas desde o ensino fundamental. Educação, respeito ao próximo ( cidadania ), acabar com a maldita lei de Gerson que reflete até no trânsito ( a "malandragem", por exemplo: "Ha, ta vindo uma moto, ele desvia" ). Enfim, o problema do trânsito não é UMA causa mas como todo problema sério, é uma soma de vários fatores. Ignorância é falar "Culpa da prefeitura", "culpa do carro", "Culpa da moto".

Novamente, nada a ver com a noticia, me empolguei de novo hehe
 
Jean K. Santos em 20/07/2011 11:10:47
Por essas declaraçaoes de um presidente totalmente despreparado para a funçao que o segmento de comercio de gas fica marginalizado e sem profissionalismo. Um homem destes eh do tempo dos "gaizero" e nao empresario do gas. Coloca a categoria exposta. Quando ao seu Jorge, dirigir cortando, significa no minimo infraçoes graves de transito. Estamos em um momento de profissionalizaçao do segmento e temos que adequar a lei a nossa realidade. Ao invés de ficar dando entrevista, que tal buscar o Judiciario para ajudar a adequar a portaria a nossa realidade ???
 
neuza fontes em 20/07/2011 10:29:38
Se está lei entrar em vigor do jeito que está sendo imposta, ficará inviável trabalhar como motoentregador porque os custos e a burucracia nao compensara ,sendo que o motoentregador é um mízero assalariado sem levar em conta que temos a gasolina mais cara do mundo ,peças ,documentaçao do veículo etc.com certeza a maioria procurara uma outra alternativa de trabalho .obs sem contar que o consumidor final ,aquele que compra e pede pra entregar vai sentir na pele a alta das taxas de entregas que com certeza vao sofrer um aumento significativo para compensar os gastos com a tal lei.
 
Jonas alves em 20/07/2011 09:59:18
A sociedade em sí gosta de criticar o motoqueiro, mas ja parou para ver todos os serviços que são prestados por motoqueiro? e se fosse de carro gastaria mais tempo e dinheiro, por conta do preço da gasolina, que cada dia sobe mais, acidente de moto acontece todo dia? acontece só que com carro tambem, moto fura sinal? fura só que carro tambem, moto custura no sinal fechado? custura só que tem carro que tambem custura, tudo depende do piloto ou do motorista porque é tudo de prudencia e educação, não se pode jugar a todos por conta de alguns, sei que o comentario não tem muita coisa a ver com a reportagem mais essa lei vai ter alguem ganhando com certesa, lembro eu que um tempo atras foi criada uma lei que todo veiculo tinha que ter um kit de primeiros socorros e ai quando voce parou em uma blitz eles cobraram isso hoje? claro que não, só querem ganhar em cima de quem trabalha.
 
flávio pereira em 20/07/2011 09:44:58
É respeitavél todas as opiniões, mas porque gerenalizam uma classe inteira devidos à atos de de pessoas? julgam os que usam neste caso motos para seu trabalho e por sinal muito digno, porque dos playboys que existem por fazendo rachas nas avenidas ninguem se manifesta???
 
Reginaldo SILVA em 20/07/2011 09:39:40
Tem gente que é contra tudo, gostam da terra de ninguém, estas motos passam raspando nos automóveis aliádo ao fato de que os motoqueiros em sua grande maioria são ruins na direção.
 
Marco de Campo Grande em 20/07/2011 08:19:41
A lei é necessária, pela reportagem a resistência é por causa do impacto financeiro, porém a justificativa para não enquadrar é que aumentaria o tempo de entrega.
Não há problema o que nós queremos é o fim a "costura " entre os veículos com ou sem botijões.

Paz no trânsito.
 
Juarez Souza em 20/07/2011 08:19:07
Vejam só que interessante, os legisladores sempre atras de importunar quem trabalha, ja não chega a maior carga tributaria do mundo agora para prestar um serviço aos seus clientes alem de toda a burocracia tem que adaptar um dispositivo que custa entre R$ 3.000,00 e 5.000,00 cada um vamos adptar e mandar os custos para os legisladores da dita lei.
 
Reginaldo silva em 20/07/2011 08:16:24
Sei não, é mais uma lei só para mostrar que "estão fazendo algo".

Na boa, de todos os acidentes com motos, quantos envolvem entregadores de gás? e quantos foram causados pela grelha que quebrou, butijão saiu voando?

Acorda Brasil, não é assim que se resolve o problema. O certo é seguir o caminho de outros países que passaram pelo mesmo problema e resolveram sabe como? Incentivando o uso das motos! Só pesquisar como funciona na Europa.

Eu leio comentário de gente revoltada com moto, que costura, que anda correndo, que não sei o que. Moto é mais ágil, trânsito com mais moto e menos carro é um trânsito mais ágil. Se morre gente aqui, é por pura falta de educação, tanto da moto quanto do carro. É gente de carro que invade a preferencial, joga o cara da moto longe e...a culpa é da moto que está correndo. Sujeito de moto, fura sinal, e a culpa é da moto. O cara costura no sinal vermelho e sujeito de carro fica revoltado, como se isso fosse errado. Me diz, fazendo certinho, sem bater no seu retrovisor, igual a maioria faz, qual o problema do cara se enfiar no meio dos carros parados para ir para frente no semáforo? O que isso vai atrasar sua vida? Então porque ficar revoltado? A saída do semáforo fica mais rápida. Não é furar fila. Eu, de moto, quando fico para trás no semáforo, reparo como um carro demora para sair. Demora para sair, menos carro pega o semáforo aberto, e assim o trânsito fica mais congestionado. Trânsito mais congestionado é um trânsito mais estressante, motorista mais estressado tem mais chance de "perder a cabeça" e fazer besteira, como dar uma acelerada no sinal amarelo, passar direto num PARE. Isso tudo é só um exemplo, sei que amanhã vai ter um monte de comentários sobre "como moto é coisa de marginal", "100% é imprudente", mas ta aí, cada um tem o direito de dar sua opinião.

Nada a ver com a noticia, mas me empolguei
 
Jean K. Santos em 20/07/2011 04:34:56
Palavras do Sr Jorge Luiz Alba "Com a moto são 20 minutos de entrega, o sidecar já leva pelo menos 35 minutos e não passa por onde a moto passa, não tem como ir cortando” diz.
Velocidade máxima permitida no perímetro urbano 60Km/h, com uma motocicleta posso sair das moreninhas até a vila nasser em 30 minutos, acho que é suficiente para uma entrega segura em qualquer ponto da cidade.
Sr Jorge direção defensiva ainda é o melhor remédio, pois os acidentes com motocicletas acontecem quase todos os dias.
 
Luciano S.Silgueiro em 19/07/2011 08:41:17
Esta é mais uma Lei criada por pessoas que não tem competencia na area, pois os senhores Senadores nunca precisaram sentar no banco de uma Moto para alimentarem suas familias, estão burocrarizando uma profissão que ja faz parte do cotidiano da sociedade, e os metodos para se adequar a esta MALDITA LEI, são impossiveis de serem adotadas... E se for por causa do caos da transito o porque disso tudo, ai é que estão enganados mesmo, pois se diminuir as motos, certamente aumentarão os carros e os custos... Se for por acidentes, tão menos, pois o Denatran tem estatisticas que provam que a porcentagem dos acidentes com profissionais não chegam nem aos 10% de todos acidentes com motos... Alguem vai levar vantagem com essa nova Lei certamente, aqui a Agetran saiu na frente, pois eles estão incumbidos de regulamentar e fiscalizar isso ai... E no Brasil, quem sabe essa Lei não seja mais uma manobra para empregar com mais voracidade o Monopolio dos Correios, pois muitas empresas concorrentes fecharão por falta de mão de obra...Vai dai, quem sabe?
 
DANIEL MONFARDINI em 19/07/2011 07:58:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions