ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 33º

Capital

Acusado de tentativa de feminicídio é condenado a nove anos de prisão

Thiago Paulussi Vazi foi condenado, ainda, por colocar fogo na casa em que ela estava, em crime ocorrido em 2017

Por Silvia Frias | 22/01/2019 15:28
Em depoimento, Thiago disse que ateou fogo na casa por raiva da ex (Foto: Henrique Kawaminami)
Em depoimento, Thiago disse que ateou fogo na casa por raiva da ex (Foto: Henrique Kawaminami)

O Tribunal do Júri condenou Thiago Paulussi Vazzi, 30 anos, a 9 anos e oito meses de reclusão por tentar matar a ex-namorada Vera Lúcia Romeiro, em 2017. Os jurados concordaram com os termos da acusação do Ministério Público Estadual (MPE), pela tentativa de homicídio (qualificada pelo feminicídio) e ter provocado incêndio na casa da vítima.

Na sentença, o juiz Carlos Alberto Garcete considerou os artigos 121 (tentativa de feminicídio) e 250 (incêndio), previstos no Código Penal. Inicialmente, a pena provisória foi de 13 anos de reclusão, porém, foi reduzida já que o crime foi configurado na forma tentada. Além disso, a vítima teve lesões leves, distante da confirmação de consumação do delito.

A pena de feminicídio foi estabelecida em 4 anos e 4 meses, acrescida de 5 anos, 4 meses e 10 dias-multa por ele ter provocado incêndio na casa da vítima. O juiz determinou que a sentença fosse mantida em regime fechado.

O julgamento começou hoje de manhã e terminou no início da tarde. Em depoimento, Vazzi justificou o crime dizendo que ficou com raiva da ex-namorada. “Eu fui a casa dela para me despedir porque ia fugir para Minas porque estava sendo ameaçado por uma facção aqui, mas ela não quis me atender, fiquei com raiva e coloquei fogo na cortina dela quando estava indo embora”, descreveu o réu.

O crime aconteceu na noite de 14 de agosto. Thiago arrombou o portão da casa da vítima, na Rua Pasteur, na Vila Piratininga, depois que a mulher evitou recebê-lo e se trancou no quarto. Conforme a denúncia o casal estava separado há dois meses, pois ela passou a temer o comportamento possessivo e violento do acusado, que nega o relacionamento. “Nós só ficamos duas vezes porque eu não tinha muito tempo para a gente se ver”, disse.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário