ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Advogados de presa em operação deixam PF sem falar com imprensa

Soraia foi intérprete durante a campanha de Renan Contar, o Capitão Contar (PRTB), para o governo do Estado

Viviane Oliveira e Mariely Barros | 20/01/2023 11:09
Advogados saindo da superintendência da Polícia Federal (Foto: Henrique Kawaminami)
Advogados saindo da superintendência da Polícia Federal (Foto: Henrique Kawaminami)

Os advogados da intérprete de libras Soraia de Mendonça Bacciotti, de 48 anos, presa em Campo Grande na operação Lesa Pátria, deflagrada na manhã desta sexta-feira (20), deixaram a Superintendência Regional da Policia Federal, na Vila Sobrinho, sem falar com a imprensa.

Soraia foi intérprete durante a campanha de Renan Contar, o Capitão Contar (PRTB), para o governo do Estado. Antes de ficar conhecida como a intérprete “Ruiva do Contar”, Soraia se formou em Pedagogia e fez cursos de Turismo e Gastronomia. Atualmente, fazia especialização em Educação com ênfase em surdez. A intérprete aparece em postagens nas redes sociais como apoiadora do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Soraia em uma de suas postagens em rede social (Foto: reprodução/Instagram)
Soraia em uma de suas postagens em rede social (Foto: reprodução/Instagram)

Segundo os sites nacionais, até às 7h30, além de Soraia, já haviam sido presos Ramiro Alves da Rocha Cruz Júnior, conhecido como Ramiro dos Caminhoneiros, Randolfo Antônio Dias e Renan Silva Sena.

A ação é contra integrantes e financiadores dos atos antidemocráticos ocorridos na Capital Federal, no dia 8 de janeiro, que resultaram na depredação dos prédios do STF (Supremo Tribunal Federal), Congresso Nacional e Palácio do Planalto.

Os alvos são investigados pelos seguintes crimes: abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração ou inutilização de bem especialmente protegido.

No total, são 8 mandados de prisão preventiva e 16 mandados de busca e apreensão expedidos pelo STF para serem cumpridos em Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal.

Nos siga no Google Notícias